Os dirigentes do Sindicato e da Associação dos Servidores da Assembleia Legislativa festejaram o resultado da reunião de hoje com o presidente da Alepa, deputado Chicão, que também convidou para o encontro o Chefe de Gabinete da Presidência, Reginaldo Marques…

A Administração Superior do Ministério Público do Pará está empenhada em fortalecer a atuação dos promotores de justiça no arquipélago do Marajó, onde a situação de extrema pobreza, agravada pela pandemia, perpetua crimes gravíssimos como os abusos e exploração sexual…

“A Prefeitura de Belém, por meio da Comissão de Defesa Civil de Belém, informa que realizou vistoria técnica no bloco B do imóvel localizado na avenida Presidente Vargas, 762, no dia 11 de fevereiro, às 9h, em conjunto com representantes…

DEM e PSL ainda nem consumaram a fusão, prevista para outubro deste ano, mas a briga já é de foice. O ex-presidente do Senado Davi Alcolumbre e o ex-prefeito de Salvador ACM Neto duelam nos bastidores pelo comando do novo…

Infância e adolescência

O Cedeca-Emaús realiza, nesta sexta-feira, o seminário Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes: um olhar para a situação do trabalho infantil, no auditório do Movimento República de Emaús, no bairro do Bengui, das 8h às 17h, em parceria com o Programa de Enfrentamento ao Trabalho Infantil Doméstico.

Um dos debates será baseado na exposição dialogada “Trabalho Infantil e a Violação dos Direitos Humanos”, pela pedagoga Bruna Monteiro. A advogada do Cedeca, Celina Hamoy, vai tratar sobre “Trabalho Infantil e a Violação dos Direitos Humanos”. O grupo de dança do Movimento República de Emaús vai se apresentar e haverá exercício cênico do grupo de adolescentes do Petid, com o tema “O despertar de uma família”.

O evento ajudará a divulgar os locais em que a população deve denunciar, caso saiba de alguma criança ou adolescente em situação do trabalho infantil – Cedeca, Conselhos Tutelares e Ministério Público do Estado.

Durante o seminário será lançada pesquisa sobre trabalho infantil feita pelo Cedeca e pelo Grupo de Estudos e Pesquisa da Infância, Adolescência e Família, da UFPA. O estudo, denominado “Levantamento da Situação de Trabalho Infantil nas Escolas”, foi feito a partir de um diagnóstico de 1.670 alunos de três escolas públicas de Belém.

O documento mostra que meninos e meninas continuam exercendo jornada estressante, alguns com até dez horas de trabalho diário e mais a vida escolar, recebendo, em sua maioria, até R$ 200 por mês. 40,7% dos entrevistados disseram ter começado a trabalhar antes dos 11 anos e 26% antes dos 13 anos.

Para evitar que essa realidade continue, a coordenação da pesquisa já realizou oficinas de formação sobre violação e direitos de meninos e meninas e pretende continuar com a orientação. Além das crianças e adolescentes das instituições de ensino onde foi feita a pesquisa com os alunos, a oficina é destinada aos professores, equipe técnica dos colégios e aos pais dos alunos.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *