A igreja de São Francisco de Assis em Belém do Pará, carinhosamente chamada pelos fiéis de "Capuchinhos", completará cem anos de sua inauguração em 02 de outubro de 2022. A abertura oficial das festividades será com um concerto na igreja…

O trânsito continua matando mais do que muitas guerras. A administradora Gina Barbosa Calzavara, coordenadora dos bosquinhos da Universidade Federal do Pará, fez uma emocionante homenagem à memória do jovem Jean Serique Lameira, esportista do ciclismo e que também usava…

O Laboratório de Engenharia Biológica do Parque de Ciência e Tecnologia - PCT Guamá está estudando o sequenciamento genético do açaí, de modo a assegurar a rastreabilidade de ponta a ponta na cadeia produtiva e padrões de qualidade para os…

A Lei estadual nº 9.278/2021, que entrou em vigor em 30 de junho deste ano, instituindo a obrigação de que pessoas residentes em condomínios, conjuntos habitacionais e similares comuniquem à Polícia Civil, de forma imediata, qualquer tipo de agressão praticada…

A implosão da saúde

A direção do Hospital Ofir Loyola está querendo tapar o sol com a peneira: diz que o atendimento (que sempre foi precário) não sofreu interrupção hoje, apesar da paralisação dos servidores(!). No setor de radioterapia, por exemplo, os quatro médicos não trabalharam.

No quadro de pessoal do HOL, dos 1.900 funcionários, 700 são celetistas; o restante é estatutário, temporário e não temporário, seja lá o que isto for. Os celetistas são egressos do antigo Instituto Ofir Loyola, sociedade privada desapropriada pelo governo do Estado em 1992, que cedia, via contrato, suas dependências para o antigo Hospital dos Servidores. Após a desapropriação, foi criada a autarquia Hospital Ofir Loyola, que só pode contratar os profissionais por meio de concurso público.
Pois bem. Essa situação funcional foi questionada ainda em 2002, pelo Ministério Público do Trabalho, quando foi assinado um Termo de Ajustamento de Conduta no sentido da regularização dos celetistas até a realização de concurso público para preenchimento dos cargos da instituição e efetivação dos aprovados, o que não foi providenciado até hoje.
Enquanto isso, a população paupérrima viaja centenas de quilômetros a pé, de barco, ônibus, e quando finalmente chega às portas do hospital dito de referência no tratamento de câncer, é barrada e morre desassistida.
É preciso urgentemente enfrentar, com coragem e medidas adequadas, essas graves questões, que implodem o sistema de saúde pública no Pará. Todo mundo sabe que isso não começou agora, mas já passou da hora de dar um basta nessa situação.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *