Um pastor de igreja evangélica localizada no município de Breves, no arquipélago do Marajó, foi condenado a 39 anos de prisão por estupro de vulnerável, exploração sexual e por possuir e armazenar pornografia infantil, com o agravante de que ele…

Acionado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, o Ministério Público Federal recomendou ao prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues, medidas efetivas para que os responsáveis pelo edifício conhecido como Bloco B da Assembleia Paraense assegurem a manutenção emergencial do…

Na quarta-feira passada (22), operários e servidores ligados à execução da reforma e readequação do Palácio Cabanagem almoçaram com o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Chicão, que preferiu essa forma de reunião para agradecer pelo compromisso com o trabalho e…

Nunca reclamem de barreiras de fiscalização no trânsito. Graças aos agentes do Detran-PA um homem vítima de sequestro foi resgatado ileso ontem à noite, por volta das 23h, na rodovia BR-316. Conforme relato do coordenador de Operações do Detran-PA, Ivan…

Hoje, Amazônia Jazz Band em Castanhal

Quem estiver em Castanhal não pode perder hoje o concerto “Quando o Jazz encontra a Ópera”, da sensacional Amazônia Jazz Band, sob regência do maestro  Nelson Neves, com participação especial do Coro Lírico do Festival de Ópera do Theatro da Paz, regido pelo maestro Vanildo Monteiro. Será o encerramento magistral da programação “Nazaré em Todo Canto”, da Secult, às 20:30h, ao ar livre, na Praça dos 12 Apóstolos, em frente à Catedral Santa Maria Mãe de Deus, no centro da cidade, com entrada gratuita.
 
O espetáculo tem no repertório peças conhecidas de óperas, com sotaque jazzístico. Só para se ter uma ideia, “Turandot”, de Puccini; “Carmen”, de Bizet; e “Rigoletto”, de Giuseppe Verdi, ganharam arranjos dos maestros Nelson Neves, Alcir Meireles, Tynnôko Costa e Robenare Marques.
Para a apresentação em Castanhal, Robenare Marques fez arranjo especial sobre um dos trechos corais mais famosos do mundo, o “Va, Pensiero”, da ópera “Nabucco”, de Verdi. Outro ponto alto do Coro, que emociona, é “Nessun Dorma“, uma das árias mais conhecidas do mundo, imortalizada na voz do tenor Luciano Pavarotti.
 
 
Tynnôko Costa fez arranjos de “Aída: Marcha Triunfal” e “Rigoletto: La Donna e Mobile”, ambas de Verdi; Alcir Meireles de “Carmen: Canção do Toreador”, de Bizet, e de “La Bohème: Quando m’en vo”, de Giacomo Puccini.
O maestro Nelson Neves trabalhou “Gianni Schicchi: O Mio Babbino Caro”, de Puccini, e a versão original de “Os Palhaços“, de Nino Rota. 
 
Como se não bastasse, o público pode se preparar para delirar ao som da “Quinta Sinfonia”, de Beethoven, com levada de funk; e “Assim falou Zaratustra”, de Richard Strauss, poema sinfônico popularizado na trilha sonora do filme “2001 – Uma odisseia no espaço”, clássico de Stanley Kubrick, com o suingue das feras do jazz parauara.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *