O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Hidrovia do Tapajós

Estudo encomendado pela Confederação Nacional da Indústria e que culminou no “Projeto Norte Competitivo” identificou 42 eixos de integração de transporte (ferrovias, hidrovias, rodovias e portos) para melhorar a infraestrutura logística do Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins. Desses, selecionou nove considerados prioritários.

A hidrovia Tapajós/Teles Pires/Juruena é o eixo de integração de transporte que apresenta maior potencial de redução no custo logístico para a região. O custo do frete por tonelada de grãos produzidos no Mato-Grosso para Xangai, por exemplo, cairia dos R$ 226 atuais contabilizados no trajeto até o porto de Paranaguá (PR), por onde é exportado para a China, para R$ 136, usando a hidrovia até Vila do Conde, em Barcarena (PA). O investimento é estimado em R$ 2,8 bilhões e inclui a construção de eclusas, dragagens, sinalização e balizamento dos rios, além de infraestrutura portuária.

A viabilização dos nove eixos prioritários do Projeto Norte Competitivo, com investimentos de R$ 14,1 bilhões, se pagaria em menos de quatro anos com a economia gerada por uma logística mais eficiente e traria economia anual de R$ 3,8 bi no custo de transporte e armazenamento de carga da Amazônia Legal. Hoje, o custo do transporte de todos os produtos originados ou destinados à região é de R$ 17 bilhões ao ano e chegará a R$ 33,5 bi com o volume de produção previsto até 2020.
O projeto deve ser entregue pela CNI à presidente Dilma Rousseff em março.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *