Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Helder vai lançar na COP27 o Planbio

O governador Helder Barbalho viaja nesta sexta-feira para o Egito, onde acontece até o dia 18 de novembro a 27ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas. A COP27 reúne líderes com o compromisso de reduzir as emissões de gases de efeito de estufa (GEE) e mitigar as alterações climáticas. Helder vai lançar oficialmente lá o Plano Estadual de Bioeconomia, um dos componentes do eixo desenvolvimento socioeconômico de baixo carbono do Plano Estadual Amazônia Agora (PEAA). O Planbio propõe 89 ações distribuídas em três eixos. Algumas delas estão previstas no projeto da LOA 2023, e o restante ficará no PPA 2024-2027. Além disso, foram inseridas no orçamento estadual duas novas ações: Fomento à Bioeconomia e Implantação do Parque de Bioeconomia. Trata-se de um desafio gigantesco: o Pará tem se notabilizado como campeão nos rankings de crimes ambientais, há muitos anos.

O plano teve o apoio da ONG The Nature Conservancy através do projeto “Preparando um Território Sustentável Carbono Neutro” no âmbito da chamada “Janela B – Inovação” da Força Tarefa dos Governadores para o Clima e Florestas – GCF Task, em colaboração com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento e o governo norueguês.

Helder Barbalho enxerga o importante momento para a Amazônia e pretende que o Pará lidere o protagonismo do Brasil nas discussões ambientais e na construção de um modelo sustentável. Quer aproveitar para, a partir do carbono zero, inserir e discutir as concessões das florestas e valorizar a captação do crédito de carbono, a floresta em pé como ativo econômico, e encontrar caminhos que possam equilibrar tradições, cultura e o ativo florestal extraordinário da maior floresta tropical do planeta. Uma peleja que terá que superar desmatamento, queimadas e garimpos ilegais, entre outros obstáculos.

De acordo com o arcabouço da Convenção de Clima, os países desenvolvidos – que alcançaram esse patamar destruindo o meio ambiente – têm o dever de arcar com os gastos de adaptação e mitigação dos efeitos das mudanças climáticas nos países em desenvolvimento. Em 2009, em Copenhague (COP15), assumiram o compromisso de destinar USD 100 bilhões ao ano, mas não cumpriram.

Em 2015, no Acordo de Paris, foi adotado o princípio de “Responsabilidade Comum Porém Diferenciadas” (é responsabilidade de todos agir para conter as mudanças climáticas, porém considerando as realidades nacionais).

O foco do financiamento climático, hoje, tem sido as ações de mitigação, que receberam 67% do financiamento entre 2016 e 2020. Já a agenda de adaptação climática recebeu apenas 22% dos recursos alocados no mesmo período. Uma vez que o âmago da agenda de mitigação é a comoditização do carbono e a criação de oportunidades comerciais de energias renováveis, o financiamento climático não tem chegado a quem mais precisa: as populações que mantêm a floresta em pé e que vivem em situação de maior vulnerabilidade. Com o agravante de que 72% do capital alocado em financiamento climático entre 2016 e 2020 chegou na forma de empréstimos, o que beneficia empresas e instituições com capacidade de girar capital, gerando retorno ao investidor. Na verdade, geram mais débito social e vulnerabilidade, ainda mais considerando que as camadas mais desvalidas da sociedade brasileira estão em situação equiparável à de países do continente africano.

O BNDES é responsável pelo apoio à implantação de projetos, aquisição de máquinas e equipamentos e desenvolvimento tecnológico para mitigação e adaptação às mudanças climáticas. Em 2020, no entanto, dos R$120 milhões utilizados pelo banco para financiar projetos de clima, a maioria ​​foi para apoiar produção sustentável e descarte (45%) e eficiência e transição energética (32%). O setor de transportes recebeu 19%, enquanto projetos de adaptação receberam apenas 1% dos recursos.

O Fundo Amazônia é o principal mecanismo de financiamento climático no Brasil. Por definição, o objetivo é captar doações para investimentos não reembolsáveis em ações de prevenção, monitoramento e combate ao desmatamento, e de promoção da conservação e do uso sustentável da Amazônia Legal. Os focos de apoio, contudo, não contemplaram diretamente medidas de adaptação na Amazônia e os povos amazônicos. O Fundo ficou paralisado durante quase todo o governo Bolsonaro, mas deverá ser reativado em janeiro.

Os eventos do clima têm se mostrado cada vez mais devastadores, a exemplo das enchentes no Paquistão, que atingiram 33 milhões de pessoas e mataram mais 1,7 mil. Resta clara a necessidade de ser criado um fundo internacional específico para lidar com as perdas e danos associados à crise climática em países mais vulnerabilizados.

Como desdobramento desse programa global, o Brasil foi escolhido, junto com outros quatro países, para avançar na elaboração de um Roadmap Net Zero nacional.

O Plano Estadual Amazônia Agora é a principal plataforma de ações para a redução sustentada do desmatamento no Pará. O PEAA desenvolve estratégia de longo prazo e tem como meta ambiciosa a redução de, no mínimo, 37% das emissões de Gases de Efeito Estufa provenientes da conversão de florestas e do uso da terra, até 2030 – em relação à média entre os anos de 2014 a 2018 – e com apoios adicionais planeja ampliar esta performance para 43% de diminuição da emissão GEE até dezembro de 2035.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Participe da discussão

1 comentário

  1. Este intercâmbio que o governador fará, será de suma importância para as ações de divulgação e implantação de um processo de mudanças radicais no trato com a natureza em nossa região.
    Com a proximidade das mudanças no comando da nação, com certeza, organismos internacionais voltarão a olhar com olhos generosos o fomento a essas iniciativas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *