Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Haverá uma providência permanente?

A vida é sempre muito pior do que a arte retrata. Enquanto a novela
denuncia o tráfico de mulheres, no canteiro de Pimental, da UHE-Belo Monte, a polícia civil de Altamira, no Pará, encontrou 16 mulheres de 18 a 23 anos, 1 adolescente de 16 e uma travesti em situação de exploração sexual de menor,
cárcere privado, escravidão e tráfico de pessoas.
A operação de resgate foi realizada na noite da
quarta-feira, 13, após denúncia de uma adolescente de 16 anos, que conseguiu
fugir e procurou a conselheira tutelar Lucenilda Lima.
As vítimas eram confinadas em cubículos sem janelas e ventilação e cadeados do lado
de fora das portas. Elas podiam ir à cidade uma vez por semana, mas só por uma
hora, vigiadas o tempo todo.
Eis o dramático relato de
uma das garotas, de 18 anos,
de Joaçaba(SC), onde trabalhava
em uma boate cuja cafetina era “sócia” do dono do prostíbulo no Pará:
Ele [o gerente da boate] saiu
atrás dela [
a adolescente de 16 anos que
conseguiu fugir]
armado e disse
que não custava matar uma, que ninguém ficaria sabendo. Viemos em nove lá de
Joaçaba. Falaram para a gente que seria muito bom trabalhar em Belo Monte, que
a gente ganharia até R$ 14 mil por mês, mas quando chegamos não era nada disso.
Já de cara fizemos uma
dívida de R$ 13 mil por conta das passagens [valor cobrado do grupo]. Aí temos
que comprar roupas, cada vestido é quase R$ 200, e tudo fica anotado no
caderninho pra gente ir pagando a dívida. E tem também a multa, qualquer coisa
que a gente faz leva multa, que também fica anotada no caderno. Depois de cada
cliente, a gente dava o dinheiro para o dono da boate pra pagar as nossas
dívidas, eu nunca ganhei nenhum dinheiro para mim. O gerente da boate dizia que a gente só poderia sair depois de pagar
todas as dívidas, e que nem adiantava reclamar porque ninguém ia nos ajudar,
ele era amigo da justiça e nunca ninguém ia fazer nada contra ele. Mas ele
disse que se a gente falasse, eles iam atrás dos nossos filhos e parentes lá no
Sul
.”

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *