Hoje a Assembleia Legislativa do Pará retomou seus trabalhos no segundo período legislativo do terceiro ano da da 19ª Legislatura, de forma totalmente presencial, apesar da reforma do prédio sede do Palácio Cabanagem e do próprio plenário Newton Miranda. Após…

Em visita oficial, a Academia Paraense de Jornalismo e a Comissão de Defesa do Patrimônio Histórico do Instituto Histórico e Geográfico do Pará pediu ao prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues, o veto à alteração dos nomes da Rua da Municipalidade…

O IV Distrito Naval da Marinha do Brasil, em parceria com o Ministério Público do Estado do Pará (MPPA), Praticagem da Barra do Pará, Sociedade Amigos da Marinha Pará, Secretarias de Saúde de Barcarena e do Estado do Pará, Tribunal…

Guy Veloso, filho do saudoso jurista, notário e político Zeno Veloso, plantou em sua memória um pé de baobá na Universidade Federal do Pará, onde o ilustre parauara se destacou como professor de direito civil e direito constitucional, formando gerações…

Golpistas usam nome da ANPT

A Associação Nacional dos Procuradores do Trabalho está sendo vítima de estelionatários que pedem “colaboração” para publicar o “Anuário Justiça e trabalho edição 2016”, de editora chamada Rota do Contribuinte, e outras revistas e jornais. Os golpistas também utilizam indevidamente o nome da ANPT e de alguns procuradores do Trabalho prometendo, em troca de dinheiro, serviços de assessoria jurídica e até arquivamento de procedimentos investigatórios. Diante da gravidade dos fatos, a entidade já formalizou notícia-crime. Quem tiver informações sobre casos semelhantes pode denunciar pelo e-mail anpt@anpt.org.br e pelo telefone (61) 3325-7570.

A ANPT esclarece que não é responsável pela publicação “Anuário Justiça e Trabalho” e nem solicita doação de quem quer que seja para suas publicações ou quaisquer de suas atividades. Os procuradores do Trabalho, cujas atribuições estão descritas na Constituição Federal e em lei, não prestam assessoria jurídica a qualquer pessoa ou entidade, nem recebem valores de terceiros para esse ou para outros fins, diante de expressa vedação legal (Lei Complementar 75/1993, art. 237, I). 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *