Para marcar os quinze anos de criação das Florestas Estaduais de Faro, Trombetas e Paru, da Estação Ecológica Grão-Pará e da Reserva Biológica Maicuru, na Calha Norte, hoje (4), o Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) lançou…

Lançamentos literários, apresentações de teatro, oficinas voltadas para as culturas pop e japonesa, arrecadação de livros, atividades pedagógicas e lúdicas direcionadas ao público infantil, entre outras ações, estão no cardápio de cultura e arte servido aos visitantes do estande da…

O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Fraude na Previdência

O servidor do INSS em Marabá José de Albuquerque Andrade Lima e sindicalistas
de São Geraldo do Araguaia, São Domingos do Araguaia, Itupiranga, Brejo Grande
do Araguaia, Bom Jesus do Tocantins e Piçarra foram acusados pelo MPF de
integrar uma quadrilha que fraudava a Previdência Social para conceder
benefícios ilegais, principalmente em período eleitoral.
O grupo atuava
no sul e sudeste paraense e contava com a participação de diversos membros de
sindicatos de trabalhadores rurais candidatos às câmaras municipais e
prefeituras da região.
Desde 2008 a Polícia Federal e o MPF investigavam o esquema. Os sindicalistas
arregimentavam pessoas sem direito ao recebimento de benefícios previdenciários,
organizavam entrevistas conduzidas pelo servidor do INSS e diziam aos
interessados que era preciso se filiar ao sindicato, que providenciava carteirinha e declarações de exercício de atividade
rural inidôneas, e ainda cobrava taxas a título de mensalidades, além das
despesas de deslocamento do servidor do INSS, o que é proibido por lei.
Depois, os
documentos eram apresentados a José Lima, que inseria os dados falsos no
sistema do INSS e conseguia a liberação dos proventos. Em troca, a quadrilha pedia
votos para integrantes do grupo ou para candidatos indicados por eles. 
A ação cível por
improbidade administrativa (proc. nº 0004150-73.2012.4.01.3901) tramita na 2ª
Vara Federal em Marabá. Acompanhe 
aqui.
A ação penal (proc. nº 0008164-37.2011.4.01.3901), na 1ª Vara Federal em
Marabá. Acompanhe 
aqui
.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *