A empresa de ônibus Belém-Rio, que faz a linha para o distrito de Outeiro – Ilha de Caratateua, em Belém, aparentemente está falida e reduziu pela metade a sua frota, causando enorme sofrimento aos usuários do transporte coletivo. O serviço,…

A Cosanpa abriu nada menos que seiscentos buracos imensos nos bairros mais movimentados de Belém, infernizando a vida de todo mundo com engarrafamentos e causando graves riscos de acidentes, principalmente porque chove sempre, e quando as ruas alagam os buracos…

O Procurador-Geral de Justiça César Mattar Jr. inaugurou nesta quinta-feira, 16, o Núcleo Eleitoral do Ministério Público do Estado do Pará, que vai funcionar na sede das Promotorias de Justiça de Icoaraci, distrito de Belém. O coordenador será o promotor…

A desembargadora Maria de Nazaré Saavedra Guimarães, que se destaca pelo belo trabalho que desenvolve à frente da Comissão de Ações Judiciais em Direitos Humanos e Repercussão Social do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, e que já coordenou…

Fome grassa no Brasil

Esta cena da foto foi registrada na Av. Governador José Malcher com Quintino Bocaiúva. Mas costumeiramente pode ser vista na Av. Nazaré com a Rui Barbosa, vias das mais destacadas em Belém do Pará.

Hoje, 116,8 milhões de brasileiros não têm acesso pleno e permanente a alimentos, o que corresponde a cerca de 60% da população. Os dados são do Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar no Contexto da Pandemia da Covid-19 no Brasil, desenvolvido pela Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar (Rede PENSSAN). Contudo, o empresariado não se organiza em campanha para abraçar uma causa tão importante quanto combater a fome, agravada pela crise econômica e sanitária.

A miséria foi gravemente intensificada pelos impactos da pandemia de Covid-19. É preciso engajamento da iniciativa privada, formadores de opinião e da sociedade civil para essa batalha. Situação de insegurança alimentar é quando alguém não tem acesso pleno e permanente à alimentação, nos mais variados níveis: leve, moderado ou grave. a alimentos.

Para se ter uma ideia, 43,4 milhões de pessoas (20,5% da população) não contam com alimentos em quantidade suficiente (insegurança alimentar moderada ou grave) e 19,1 milhões (9% da população) passam fome (insegurança alimentar grave).

Neste momento, toda a sociedade precisa atuar em conjunto para apoiar as famílias mais vulneráveis. Mas é essencial também pensar em soluções duradouras de combate à fome, por meio da disseminação de boas práticas e desenvolvimento de políticas públicas. Afinal, não adianta combater só os efeitos. Há que ser atacada a causa.

É comum ver famílias inteiras nas ruas pedindo ajuda. Muitas com crianças pequenas e até grávidas com bebês no colo, expostos à chuva e ao sol o dia inteiro. Mais do que nunca, a solidariedade faz a diferença.

É importante levar ao conhecimento das autoridades competentes, no caso de Belém do Pará a Secretaria de Estado de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda (Seaster), Parapaz ou Funpapa, municipal, organismos que têm programas de incentivo profissional e acolhimento com auxílios financeiros para mães e crianças. Também podem ser comunicados o Conselho Municipal da Criança e do Adolescente, a Coordenadoria da Infância do Ministério Público do Estado e o Comissariado e a Vara da Infância do Tribunal de Justiça do Pará, descrevendo a situação e   informando data, hora, local.

Os e-mails são: funpapagabinete@gmail.com, infancia.assessoria@tjpa.jus.br, comissariado.infancia@tjpa.jus.br, naecabelem@gmail.com, coordinf@mppa.mp.br e comdacbelem@yahoo.com.br. Quando em situação de trabalho infantil, além desses e-mails, deve ser acionado também o Ministério Público do Trabalho, via prt08.denuncia@mpt.mp.br.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Participe da discussão

1 comentário

  1. Cara Franssinete, isto não é só em Belém, isto é no mundo. Em plena Paris tem gente morando na rua passando fome e lá é muito pior. Aqui tem a ajuda do Governo Federal e do nosso povo sempre preocupado com este tipo de situação.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *