A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Foram empossados hoje na Assembleia Legislativa do Pará os 41 deputados estaduais eleitos para a 61ª Legislatura (2023-2027). Em seguida houve eleição para a Presidência e a Mesa Diretora, em chapa única, tendo sido reeleito praticamente à unanimidade – por…

O governador Helder Barbalho está soltando a conta-gotas os nomes dos escolhidos para compor o primeiro escalão de seu segundo governo. Nesta quarta-feira será a posse dos deputados estaduais e federais e dos senadores, e a eleição para a Mesa…

Pela primeira vez na história, está em curso  um movimento conjunto da Academia Paraense de Letras, Academia Paraense de Jornalismo, Instituto Histórico e Geográfico do Pará e Academia Paraense de Letras Jurídicas, exposto em ofício ao governador Helder Barbalho, propondo…

Fome, fartura, festim e questões éticas no CineSal

O CineSal desta semana foi com a professora doutora Sidiana Macêdo, que abordou o tema “Na cozinha de Babette”, sobre o filme “A festa de Babette”, de 1987, baseado no livro homônimo, da escritora dinamarquesa Karen Blixen, com direção de Gabriel Axel.

Vinculado à linha de pesquisa “Literatura e Políticas do Contemporâneo”, do Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários (Faculdade de Letras da UFMG) e ao que se denomina genericamente de food studies, o Cine Sal reúne pesquisadores, alunos e interessados em torno do tema da alimentação como espécie de interface para o estudo e a análise de questões pertinentes tanto ao tempo atual quanto a revisões e leituras do passado.

Pesquisadora colaboradora da rede Transnacional DIAITA – Património Alimentar da Lusofonia, editora do blog @daquiloquesecome, Sidiana é membro do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, do conselho editorial de revistas científicas como a Revista Brasileira de Gastronomia RBG e a Revista Mangút: Conexões gastronômicas (UFRJ- INJC), colaboradora do Instituto Histórico e Genealógico de Campinas e integrante do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Escravidão e Abolicionismo na Amazônia (GEPEAM).

Elaborando figurações literárias sobre a fome, a fartura, o festim, as relações do cotidiano, o paladar, a nutrição, concomitantemente à discussão acerca do consumo, do abastecimento, de questões éticas e ideológicas relacionadas à qualidade alimentar do tempo presente, Sidiana fez, ainda, um cotejo com as doceiras e quituteiras da Belém da década de 1950, por exemplo, que também tinham obras autorais, tanto que “assinavam” seus doces, bolos e pratos com detalhes quase imperceptíveis, como um selo de qualidade.

A pesquisadora fez uma interessantíssima abordagem da história de “A Festa de Babette”, que se passa no século XIX, em um vilarejo na costa da Noruega, “um braço longo e estreito de mar entre montanhas altas chamado Berlevaag”. Numa noite de tempestade duas respeitadas senhoras irmãs, filhas de um pastor, contratam uma parisiense recém-chegada como cozinheira: Babette, uma fugitiva do massacre da Comuna de Paris ocorrido em maio de 1871. E assim, “Numa noite chuvosa de junho, em 1871, a corda da campainha da casa amarelo foi puxada violentamente três vezes. As donas da casa abriram a porta para uma mulher robusta, morena, mortalmente pálida, com um pacote no braço”. Babette, que “sabe cozinhar”, logo “adquiriu a aparência de uma criada confiável e respeitável”, conta Sidiana, que tem um jeito especial de abordar um assunto aparentemente tão simples e que envolve sentimentos, percepções e simbolismos culturais extremamente complexos.

Tomando o espaço da cozinha em sua dimensão material e imaterial, Sidiana tangencia aspectos históricos da sua evolução, o saber, o sabor, a alegria, a partilha, a gula, a culpa. Ilustra inclusive com a Santa Ceia. “Depois de doze anos trabalhando na casa das irmãs, Babette ganha na loteria e resolve agradecer pela acolhida com um suntuoso jantar. Assim que chegou na casa das irmãs, ela havia sido advertida que “eram pobres e que, para elas, comidas sofisticadas eram pecado. A alimentação delas tinha de ser o mais simples possível; eram os panelões de sopa e cestas para os pobres que importavam”, realça Sidiana, evidenciando o quão magistral é o livro/filme ao mostrar um jantar como um momento memorável ao paladar e de celebração.

“A comida que traz alegria, conforto e lembranças. O “jantar de Babette” é o ponto alto da obra, Babette consegue trazer vida àquela casa e às pessoas através de um jantar inesquecível que irá transformar para sempre a vida simples e extremamente austera do lugar. Babette, que já havia sido uma grande cozinheira em Paris, no aclamado Café Anglais, serve de forma espetacular: “Blinis Demidoff”, “Sopa de Tartaruga”, “Cailles en Sarcophage”, uvas, figos e pêssegos frescos. Entre bebidas como Amontillado e Veuve Clicquot 1860, um menu tão harmonioso e perfeitamente elaborado. Jantar esse que custou os dez mil francos que Babette havia ganhado na loteria. Ricamente elaborado, o jantar contava com alimentos que eram de valor elevado, e em determinado momento Babette informa que um jantar semelhante àquele “para doze no Café Anglais custaria dez mil francos”.

Para Sidiana Macêdo, a obra de Karen Blixen é um verdadeiro presente aos amantes do mundo da História da Alimentação e Gastronomia. “Eu sempre digo que existem obras clássicas que devem ser revisitadas, vez por outra, pois elas nos permitem a cada vez, novos olhares. Como o livro de Karen Blixen. A cada nova leitura, novos olhares, observações e entendimentos são possíveis. Fantástico”.

Sidiana da Consolação Ferreira de Macêdo é professora adjunta da Faculdade de História da Universidade Federal do Pará do campus de Ananindeua, mestra em História Social da Amazônia, autora do livro “Do que se come: uma história do abastecimento e da alimentação em Belém (1850-1900). É doutora em História Social da Amazônia, pelo Programa de Pós-Graduação em História Social da Amazônia da UFPA, com a tese “A cozinha mestiça. Uma história da alimentação em Belém. (Fins do século XIX a meados do século XX)”. É professora credenciada no Mestrado profissional de História (Profhistória) e historiadora da alimentação, e líder do grupo de pesquisa Alere-Grupo de Pesquisa da História do Abastecimento e da Alimentação na Amazônia.

O nome do programa vem de: Sal – do latim salarium, moeda de troca na Antiguidade Romana. Nas origens bíblicas, “terra salgada”, “vale do sal”. Sal signo. Símbolo de fidelidade, constância, virtude que sela acordos e amizades. Incorruptibilidade. Preservação. Permanência. Incorporação. Experiência gustativa: língua com sal, palavra com sal, conversa com sal. Através de uma perspectiva multidisciplinar – literatura, história, geografia, linguística, antropologia, etnografia, artes plásticas, arquitetura – agrega projetos que problematizem e desenvolvam pesquisas acerca do tema da alimentação. A intenção é investigar, em textos literários contemporâneos brasileiros e portugueses, a presentificação da fome e da fartura. Investigar, na literatura e nas artes, a antropofagia como método e tema. Explorar a relação da culinária com a criação artesanal.

Cliquem no link e assistam. É maravilhoso.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *