A desgraça sempre chega a galope, mas tudo o que é bom se arrasta indefinidamente no Brasil, o país dos contrastes e contradições, rico por natureza, com poucos bilionários e povo abaixo da linha da pobreza. Parece inacreditável, mas tramita…

O prefeito de Oriximiná, Delegado Willian Fonseca, foi reconduzido ao cargo pelo juiz titular da Vara Única daComarca local, Wallace Carneiro de Sousa, e literalmente voltou a tomar posse nos braços do povo. Era por volta do meio-dia, hoje (26),…

A equipe multidisciplinar do centro obstétrico da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, em Belém (PA), vivenciou uma experiência rara e emocionante: o parto empelicado. Imaginem um bebê nascendo dentro da placenta intacta, com os movimentos visíveis, praticamente ainda…

Em ação civil coletiva do Sindicato dos Profissionais de Enfermagem, Técnico Duchista, Massagista, Empregados em Hospitais e Casa de Saúde do Estado do Pará, na qual o Ministério Público do Trabalho PA-AP atuou como fiscal da lei, a 2ª Vara…

Flona Tapajós & sustentabilidade

FOTO: TOM ALVES
Coordenados pelo professor Márcio Benassuly, os estudos de cinco graduandos da Universidade Federal do Oeste do Pará mostraram que é possível modelo de ocupação que respeite o modo de vida e a cultura de quem vive na Floresta Nacional do Tapajós

O TCC de Andressa Paes, 21 anos, “Uma análise da experiência de tecnologia social na Amazônia: o caso do projeto encauchados de vegetais na comunidade de São Domingos, Belterra, Pará”,  observou o trabalho da artesã Raimunda Rodrigues, 58 anos, 30 deles vividos na comunidade de São Domingos, que desenvolve com a ajuda do marido o encauchado, técnica de impermeabilização de tecido com o uso do látex da árvore do caucho (Castilloa ulei) para a fabricação de produtos artesanais, originária da cultura indígena amazônida. A palavra “caucho” faz referência ao leite que sai da seringueira, que os antigos diziam que é a madeira que chora. São feitas peças de artesanato (colares, pulseiras, tapetes, porta-lápis, embalagens, chaveiros, porta-copos, utilizando inclusive folhas das árvores de açaí, cupuaçu, cacau e caju. 

“Produção sustentável de biojoias e alternativa de renda: o caso da cooperativa de mulheres da comunidade de Jamaraquá, Belterra (PA)” foi o tema do trabalho de Giuliana Gonçalves, 23 anos, que desenvolveu a pesquisa em uma cooperativa formada só por mulheres.

Já a estudante Aline Mota, de 22 anos, abordou o tema “Ecoturismo na Floresta Nacional do Tapajós: uma análise da implantação de pousadas na comunidade de Jamaraquá, em Belterra Pará”. Pioneira na Flona, a pousada Nirvana do Tapajós, foi construída em 2002 pelos comunitários, com a ajuda do ICMBio. Depois surgiram outras. Atualmente há pacotes com trilhas e visitas noturnas à floresta. Mas uma das principais limitações é a falta de capacitação. Os comunitários não falam inglês e não conseguem separar os recursos oriundos do trabalho dos gastos no cotidiano. 

O conteúdo da pesquisa deverá ser sistematizado para a elaboração de um livro, intitulado “Floresta Nacional do Tapajós: território, economia, gestão e manejo de recursos naturais na Amazônia”, divido em três partes, relativas às três comunidades visitadas pelos alunos-pesquisadores: São Domingos, Maguari e Jamaraquá. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *