0

O presidente da Federação das Indústrias do Estado do Pará, Alex Dias Carvalho, será um dos debatedores no painel “Desafios e oportunidades da bioeconomia brasileira”, que discutirá os desafios e as perspectivas para o desenvolvimento de cadeias produtivas baseadas em bioeconomia, considerando as experiências e o potencial do Brasil como país megadiverso. O painel será no próximo dia 4, no estande da Confederação Nacional da Indústria, dentro do auditório do Pavilhão do Brasil. 

Alex Carvalho adianta que será uma oportunidade para discutir estratégias que aliem desenvolvimento econômico, conservação ambiental e inclusão social. “Estamos vivendo um momento crucial para o nosso Estado, para o Brasil e para o mundo, em que as questões relacionadas ao respeito às pessoas e ao meio ambiente têm se destacado, sobretudo quando se fala de Amazônia. Por isso, precisamos discutir novos modelos econômicos que priorizem a descarbonização dos processos produtivos para garantir a redução de gases do efeito estufa e o fomento à bioeconomia, a fim de que seja possível maior convergência entre produção, competitividade, inovação, preservação ambiental e desenvolvimento humano”.  

A bioeconomia será tema recorrente durante a COP 28. “Na Amazônia, a bioeconomia já é uma realidade e o Pará é referência nessa área. Aqui podemos dar como exemplo o açaí, que em dez anos teve aumento de 16.000% em sua exportação, além de diferentes produtos de origem florestal, como o cacau e a castanha-do-Pará. Então, precisamos criar políticas de incentivo à industrialização (beneficiamento e transformação) dos nossos produtos naturais com escalabilidade sustentável e impulsionando o incremento de postos de trabalho, além da agregação de valor às exportações”, reforça Alex Carvalho. 

O presidente da Fiepa também vai propor o fomento de políticas públicas e investimentos na indústria da Amazônia. “O Pará, um dos maiores estados da Amazônia, é estratégico nesse cenário e a participação da indústria é fundamental para que o desenvolvimento ocorra de forma sustentável e eficaz para os moradores da região. As transformações atuais exigem o protagonismo da nossa região e do setor produtivo local”. 

Do painel também participarão o presidente da Federação das Indústrias de Rondônia e do Instituto Amazônia + 21, Marcelo Thomé; o presidente-executivo da Associação Brasileira de Bioinovação, Thiago Falda, e o presidente da Federação das Indústrias do Mato Grosso, Silvio Rangel. A mediadora será a paraense Isabela Morbach, vice-presidente do Instituto Bem da Amazônia e Cofundadora e diretora da ong CCS Brasil, com foco em projetos de captura e armazenamento de CO2.

A Fiepa integra agenda da CNI em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, envolvendo mais de cem empresários e pela primeira vez com estande próprio.  

Quilombolas de Oriximiná têm certificação da copaíba

Anterior

PT fixa candidaturas e pode alterar bancada na Alepa

Próximo

Vocë pode gostar

Mais de Notícias

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *