Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Fazenda em Pau D’Arco seria grilada

A Comissão de Direitos Humanos e Defesa do Consumidor da Assembleia Legislativa do Pará, presidida pelo deputado Carlos Bordalo (PT), vai amanhã a Pau D’Arco. Hoje de manhã, houve reunião extraordinária com movimentos sociais, entidades de defesa dos direitos humanos e o governo do Estado, com a presença do secretário de Estado de Justiça e Direitos Humanos, Michel Durans, do diretor da Polícia Civil no Interior, delegado João Bosco Rodrigues, representantes da Segup, Defensoria Pública do Pará, OAB-PA e MPE-PA.

Sete das dez vítimas são da mesma família. Além dos dez mortos, mais 14 pessoas estariam desaparecidas e outras feridas. O presidente da Comissão de Direito Agrário da OAB-PA, Ibraim Rocha, sustentou se tratar de conflito agrário e que, neste caso, o Poder Judiciário deveria ter acionado o Comando de Missões Especiais da Polícia Militar. 

Por sua vez, o presidente do Instituto Paulo Fonteles de Direitos Humanos, Paulo Fonteles Filho, questionou a versão do delegado João Bosco, segundo a qual o grupo teria recebido os policiais atirando e que estaria “fortemente armado”. Afirmou que a área é grilada e que o segurança morto pelos sem-terra era um pistoleiro. 

Já Pedro Martins, da ong Terra de Direitos, informou que a Fazenda Santa Lúcia tem 5.694 hectares, segundo o Sistema de Cadastro Ambiental Rural, extrapolando o limite legal de 2,5 mil hectares, pelo que deve ser considerada objeto de grilagem, e que a ocupação pelos trabalhadores rurais é legítima, pelo direito à terra e à produção da agricultura familiar. 

Na reunião, ficou decidida a criação de um comitê permanente para acompanhar o caso e outros relacionados a conflitos agrários. Bordalo vai pedir audiência ao presidente do Tribunal de Justiça do Estado, desembargador Ricardo Ferreira Nunes, para conversar sobre esse quadro de insegurança jurídica relacionado à estrutura agrária no Pará, que tem provocado muitos conflitos armados com vítimas fatais. 

Violência, paralisia da reforma agrária e impunidade têm sido ingredientes explosivos na zona rural. De acordo com a Comissão Pastoral da Terra, só este ano já foram assassinadas oito pessoas ligadas aos movimentos rurais no Pará. Entre essas vítimas, duas foram mortas em um intervalo de 24 horas: o trabalhador rural Edvaldo Soares Costa, no município de Eldorado dos Carajás, e a líder de um acampamento rural em Castanhal, Kátia Martins de Souza, que já vinha sendo ameaçada de morte. 

A promotora de Justiça Ione Nakamura relatou que a fazenda Santa Lúcia é uma área conflituosa e que existem vários processos de reintegração de posse naquela região. Ela acentuou, ainda, que o MP vai investigar o porquê de os corpos e as armas terem sido retirados do local antes que a perícia fosse chamada e encaminhados para o hospital. 

O secretário adjunto de Inteligência da Segup, Rogério Moraes, historiou que a polícia recebeu a denúncia de que no dia 23 de abril um funcionário da fazenda e familiares do proprietário foram vítimas de tentativa de homicídio em ações atribuídas aos homens mortos em Pau D’Arco, e que os mandados de prisão foram emitidos justamente por conta de investigação sobre o assassinato de um funcionário da empresa Elmo que fazia a segurança da propriedade, no dia 30 de abril.
No último dia 19, o grupo teria sido responsável também por nova investida contra os seguranças da fazenda, ateando fogo nas dependências da sede e intimidando os funcionários, fazendo com que abandonassem seus postos.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *