Ontem duas famílias viveram momentos de terror, vítimas de assalto à mão armada por volta das 13 horas, durante passeio no Parque do Utinga, um dos lugares mais lindos de Belém e importante equipamento turístico parauara. Trata-se do oitavo roubo…

Em iniciativa inédita, o Fórum de Entidades em Defesa do Patrimônio Cultural Brasileiro celebra os percursos individuais e coletivos que construíram as políticas de salvaguarda do patrimônio cultural no Brasil, lançando a obra “Em Defesa do Patrimônio Cultural”, organizado por…

Neste sábado, 16, postos de saúde ficarão abertos para a vacinação com foco em menores de 15 anos. Em Belém, 11 unidades vão funcionar das 8h às 14h. A campanha da Multivacinação iniciou no dia 04 de outubro e segue…

De autoria do carnavalesco e professor Paulo Anete, o enredo para o Carnaval 2022 da Escola de Samba Grêmio Recreativo Carnavalesco e Cultural Os Colibris, de Belém do Pará, é “Zélia Amada/ Zélia de Deus/ Zélia das Artes/ Herdeira de…

Ex-presidentes do TRT8 lembram pioneirismo

A respeito de decisão do juiz Jônatas Andrade, veiculada no post “Juiz bloqueia fundos e reforma hospital”, o ex-presidente do TRT8, Haroldo da Gama Alves, hoje aposentado, e que foi o primeiro presidente da Associação dos Magistrados do Trabalho da 8ª Região (Amatra VIII), lembra situação análoga, quando, na década de 1980, a Santa Casa de Misericórdia do Pará atravessava momento crítico e o Corregedor do TRT8, o saudoso magistrado Roberto Santos, tomou a frente da questão e mudou a administração do hospital, concentrando todos os processos trabalhistas na então 2ª Junta de Conciliação e Julgamento de Belém, da qual Haroldo da Gama Alves era titular. Não fosse essa providência a Santa Casa teria fechado, o que seria uma desgraça para a população do Pará.  

A medida heroica tomada por Roberto Santos ao decretar intervenção na Santa Casa de Misericórdia do Pará, que, além de centenas de reclamações trabalhistas, passava por uma crise econômico-financeira sem precedentes, também é lembrada pelo desembargador do Trabalho Vicente Malheiros da Fonseca, ex-presidente e decano do TRT8. Ele rememora que Roberto Santos, de modo corajoso e inédito, tomou medidas extraordinárias para salvar e recuperar a situação caótica daquela entidade secular, com grande repercussão não apenas no âmbito da magistratura trabalhista nacional, mas, sobretudo, para a sociedade paraense. Todos os processos, em fase de execução, foram reunidos num único juízo de 1º grau, a fim de implementar providências uniformes e eficazes para gerir a crise, com sucesso.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *