O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Esse Corpo Que Me Veste no Cuíra

O grupo Cuíra inicia atividades em 2016 com o espetáculo Esse Corpo Que Me Veste. A ideia partiu de uma Bolsa de Experimentação recebida por Olinda Charone com o tema Teatro Litúrgico Contemporâneo. O dramaturgo Edyr Augusto pesquisava um texto a partir do julgamento de Jesus Cristo por Pôncio Pilatos. Quando ambos se encontraram e envolveram outras pessoas, a discussão evoluiu até o texto final, com um título perturbador, utilizando uma frase que Jesus teria dito a Judas, após avisá-lo de que seria traído por ele: “_ E “finalmente me livrarei desse corpo que me veste”. Qual o corpo que lhe veste? Essa é a pergunta, provoca Edyr, lembrando que, ao longo dos tempos, o teatro litúrgico refletiu, em cada cultura, as ânsias e as crenças dos povos, como tambor que repercute os costumes, a fé e a época. “Um Teatro Litúrgico Contemporâneo, seguindo a linha de refletir os tempos em que vivemos, quer discutir, debater, mostrar, enunciar um raciocínio que faça, no mínimo, pensar. E foi nesse caminho que o projeto de pesquisa da artista Olinda Charone se desenvolveu”. 

Edyr pontua que, nesse corpo heterogêneo que se verifica no Brasil em termos de religiões, o lugar comum é a procura de Deus. E o papel do teatro é responder a isso. 

O espetáculo estreou no ano passado e agora retorna à cena.  A direção é de Wlad Lima, dramaturgia de Edyr Augusto Proença, figurinos de Grazi Ribeiro, visualidade e iluminação por Patrícia Gondim. São assistentes Bolyvar Júnior e Ariane Gondim, com operação de iluminação a cargo de Ariane Gondim e sonoplastia de Leoci Medeiros. Na produção executiva,  Olinda Charone / Zê Charone.  Produção, Dani Cascaes. No elenco, Olinda Charone e Zê Charone, com participações especiais de João Pedro Pereira e Lucila Vasconcelos.

A peça ficará em cartaz todas as quartas de março e abril, às 20 horas, na Casa Cuíra (Dr. Malcher 287, entre Capitão Pedro Albuquerque e Joaquim Távora, na Cidade Velha). Ingressos a R$ 30, com meia. Há 16 lugares na plateia. Mais  informações  pelo 98204-5030 (WhatsApp)

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *