O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Empregados e patrões contra sindicatos

Empregados e empregadores do comércio de Capanema e regiões Guajarina, Salgado e Bragantina se juntaram e denunciaram ao Ministério Público do Trabalho que representantes sindicais estavam cobrando multas por descumprimento de norma coletiva, além de pressionar os estabelecimentos a pagar contribuições assistencial patronal e profissional, previstas na cláusula 44 da convenção firmada entre os entes sindicais. O MPT, nos autos do processo  nº 0000056-30.2016.5.08.0000, obteve decisão liminar sustando a cobrança, vez que a tal cláusula fere o princípio da liberdade sindical ao prever o pagamento de 2% da remuneração de todos os empregados da categoria, inclusive os não associados.

O Ministério Público do Estado e a Defensoria Pública também se mobilizaram, visto que o comércio nos municípios estava sendo afetado pela cobrança abusiva.
No entendimento do Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região (PA/AP), a cobrança só pode ser feita com o consentimento do empregado, exigível dos filiados ao respectivo sindicato, conforme súmula editada pelo Supremo Tribunal Federal.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *