A Prefeitura de Belém está convidando os moradores da Cidade Velha à Consulta Pública sobre a reforma e revitalização do prédio ao lado da Igreja da Sé, onde por muito tempo funcionou a Fundação Cultural do Município de Belém (Fumbel).…

As eleições de 2022 coincidem com o bicentenário da Independência e os 90 anos de conquista do direito do voto feminino, ocorrida em 24 de fevereiro de 1932. Durante todo o Império, as brasileiras não puderam votar e somente 43…

O Ecomuseu da Amazônia, da Fundação Escola Bosque (Funbosque) promoveu no domingo, 25, na Ilha de Cotijuba, o roteiro patrimonial, pelo encerramento da 16ª Primavera dos Museus. Os visitantes conheceram o pólo do Ecomuseu, a história de Cotijuba, que passa…

A prefeitura de Portel, em parceria com a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca, lançou na sexta-feira passada (23) o projeto Marajó Sustentável, aliado ao Programa de Desenvolvimento da Cadeia Produtiva da Seringueira no Estado do Pará…

Ano-efeméride

A Escola de Governo do Pará convida para o Seminário Dalcídio Jurandir – literatura e história, no auditório Eduardo Lauande, no próximo dia 23. A proposta é debater o legado literário, político e social do jornalista e escritor e sua obra, que revelou ao mundo a Amazônia – em especial o Marajó –, pelo viés da literatura inteiramente centrada em suas referências culturais, sob a ótica da crítica social e econômica.
Dalcídio colaborou em vários periódicos em Belém e no Rio de Janeiro. Por sua militância política na Aliança Nacional Libertadora e filiação ao Partido Comunista Brasileiro, foi preso duas vezes.
Serão debatedores no evento os Professores Doutores Marly Tereza Furtado, João de Jesus Paes Loureiro (UFPA) e Paulo Nunes (UNAMA), além do jornalista e pesquisador Avelino do Vale.
Um dos maiores expoentes da literatura brasileira, Dalcídio, no dizer de Paulo Nunes, “construiu com os tijolos moldados no barro marajoara uma obra ímpar na literatura brasileira”, inscrevendo na trama universal o que o poeta Paes Loureiro denomina “surrealismo caboclo de beira de rio, de tombadilho e campos alagados”.
A homenagem é merecida e digna de ser prestigiada, inclusive por quem nunca ouviu falar do menino tímido e autodidata de Ponta de Pedras, que brilhou e eternizou com suas letras o nosso Pará.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *