Um pastor de igreja evangélica localizada no município de Breves, no arquipélago do Marajó, foi condenado a 39 anos de prisão por estupro de vulnerável, exploração sexual e por possuir e armazenar pornografia infantil, com o agravante de que ele…

Acionado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, o Ministério Público Federal recomendou ao prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues, medidas efetivas para que os responsáveis pelo edifício conhecido como Bloco B da Assembleia Paraense assegurem a manutenção emergencial do…

Na quarta-feira passada (22), operários e servidores ligados à execução da reforma e readequação do Palácio Cabanagem almoçaram com o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Chicão, que preferiu essa forma de reunião para agradecer pelo compromisso com o trabalho e…

Nunca reclamem de barreiras de fiscalização no trânsito. Graças aos agentes do Detran-PA um homem vítima de sequestro foi resgatado ileso ontem à noite, por volta das 23h, na rodovia BR-316. Conforme relato do coordenador de Operações do Detran-PA, Ivan…

Ano-efeméride

A Escola de Governo do Pará convida para o Seminário Dalcídio Jurandir – literatura e história, no auditório Eduardo Lauande, no próximo dia 23. A proposta é debater o legado literário, político e social do jornalista e escritor e sua obra, que revelou ao mundo a Amazônia – em especial o Marajó –, pelo viés da literatura inteiramente centrada em suas referências culturais, sob a ótica da crítica social e econômica.
Dalcídio colaborou em vários periódicos em Belém e no Rio de Janeiro. Por sua militância política na Aliança Nacional Libertadora e filiação ao Partido Comunista Brasileiro, foi preso duas vezes.
Serão debatedores no evento os Professores Doutores Marly Tereza Furtado, João de Jesus Paes Loureiro (UFPA) e Paulo Nunes (UNAMA), além do jornalista e pesquisador Avelino do Vale.
Um dos maiores expoentes da literatura brasileira, Dalcídio, no dizer de Paulo Nunes, “construiu com os tijolos moldados no barro marajoara uma obra ímpar na literatura brasileira”, inscrevendo na trama universal o que o poeta Paes Loureiro denomina “surrealismo caboclo de beira de rio, de tombadilho e campos alagados”.
A homenagem é merecida e digna de ser prestigiada, inclusive por quem nunca ouviu falar do menino tímido e autodidata de Ponta de Pedras, que brilhou e eternizou com suas letras o nosso Pará.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *