Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Aprovado à unanimidade pela Assembleia Legislativa, o projeto de lei nº 245/2021, de autoria do Poder Executivo, dispondo sobre a denominação do Arquivo Público do Estado do Pará, em homenagem ao jurista e professor paraense Zeno Augusto de Bastos Veloso,…

Ontem duas famílias viveram momentos de terror, vítimas de assalto à mão armada por volta das 13 horas, durante passeio no Parque do Utinga, um dos lugares mais lindos de Belém e importante equipamento turístico parauara. Trata-se do oitavo roubo…

Escalada da violência: rios de sangue no Brasil

Foto: Paulo César Carvalho
Sessenta mil brasileiros foram assassinados em 2014 (os dados de 2015 ainda não estão consolidados) e 13% dos homicídios do mundo inteiro são cometidos no Brasil, o País com o maior número de homicídios dolosos do planeta. No ranking das cidades mais violentas do Pará, Belém figura em primeiro lugar, seguida por Ananindeua, Marabá e Castanhal. Em julho deste ano, só na região metropolitana, foram registrados espantosos 276 homicídios. Uma hecatombe. E pelo menos 80% desses crimes têm como motivação o tráfico de drogas. Os jovens (na maioria absoluta, negros) são as vítimas preferenciais: na faixa de 15 a 19 anos estão presos ou mortos. 

Os dados pavorosos foram expostos, hoje à tarde, pelo coronel Hilton Benigno, secretário adjunto de Segurança Pública do Pará, em reunião na Assembleia Legislativa que contou com a presença do comandante geral da PM, coronel Roberto Campos, e todo o seu Estado-Maior, os delegados João Bosco Rodrigues, diretor de Polícia do Interior, e Temer Kayath, de Castanhal; o deputado federal Hélio Leite; o presidente da Alepa, deputado Márcio Miranda; o deputado Eduardo Costa, e líderes comunitários de Castanhal. Os números  constam do Atlas da Violência 2016, divulgado no dia 22 de março deste ano pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), em parceria com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, e são o retrato de um país em guerra, com mais de 18 mil quilômetros de fronteiras abertas, o maior mercado consumidor de drogas da América do Sul, depois do México.

A escalada de violência foi debatida com franqueza e a cúpula da PM ficou de reunir com a Polícia Civil, o Corpo de Bombeiros, o Detran-PA, o Instituto de Perícias Científicas Renato Chaves e outros órgãos a fim de elaborar estratégias de ação conjunta de combate à criminalidade. Paralelamente, os deputados Márcio Miranda e Hélio Leite se prontificaram a mobilizar a bancada federal, o Ministério Público, o Poder Judiciário, a Polícia Federal, a Polícia Rodoviária Federal, inclusive os comandantes das Forças Armadas no Pará, a fim de unir esforços no sentido do enfrentamento ao tráfico de drogas, de armas e de pessoas.

A constante liberação de criminosos reincidentes em assaltos com uso de armas de fogo foi alvo de muitas críticas. Caso recente e bem ilustrativo foi um assalto em Castanhal na drogaria Big Ben, em que um dos bandidos apontou uma pistola “.40”, de uso exclusivo militar, para a cabeça de uma empregada do local, ameaçando crivá-la de balas se não entregasse todos os celulares da loja, enquanto o outro rendia os demais com um revólver 38. Presos pela PM, depois ambos foram liberados na audiência de custódia, tendo sido classificado o crime como “sem uso de violência ou grave ameaça” (!). E só não voltaram às ruas para assaltar e matar porque a PM diligenciou e mostrou em juízo o vídeo de um assalto anterior, em outro processo, e outro juiz decretou a prisão preventiva.

Os deputados Hélio Leite e Márcio Miranda pediram à sociedade que colabore com as polícias civil e militar, participando de grupos de WhatsApp de modo a permitir a informação em tempo real, ajudando a prevenir ações criminosas e a perseguir bandidos. A Alepa já contribuiu este ano com R$710 mil em emenda parlamentar destinada à área de segurança e Hélio Leite direcionou R$1 milhão em emenda também ao setor. Ambos defendem investimentos em motocicletas e no canil da PM, para  reforçar o patrulhamento, além de equipamentos tecnológicos para uso da inteligência.

Que a situação é gravíssima e não se limita a Castanhal, Belém, Ananindeua e Marabá, todos sabemos. Num País em que os traficantes atacam a Força Nacional a bala em plena capital das Olimpíadas, certamente a solução passa pela arregimentação de forças armadas e especiais e pelo pensamento estratégico.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *