Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

As Diretorias de Combate à Corrupção e de Polícia do Interior da Polícia Civil do Pará prenderam hoje (28), no Distrito Federal, durante a Operação "Litania”, uma falsa empresária e sócios-proprietários que utilizavam empresa de fachada como instituição financeira para…

A Secretaria de Estado da Fazenda do Pará publicou extrato de dispensa de licitação para contratar a Prodepa, por R$800.427,88, a fim de desenvolver novo site da Transparência do Governo do Pará, com criação de nova arquitetura de informação, navegação…

Andar de motocicleta proporciona histórias, experiências e adrenalina. Motos oferecem facilidade de locomoção rápida e de conseguir estacionamento. Mas a liberdade é, sem dúvida, o motivo número 1 de todo motociclista. Sentir o vento, o clima, fazer parte da paisagem. Este é…

Enfrentamento à violência no campo

Amanhã, a Assembleia Legislativa do Pará lidera uma comitiva de deputados de todos os partidos, representantes da OAB/PA, Defensoria Pública do Estado, Sociedade Paraense de Defesa dos Direitos Humanos, Comissão Pastoral da Terra da CNBB Norte II, Fetagri e MST, em visita ao Assentamento 1º de Janeiro, no Km 20 da PA-127, zona rural de Castanhal, onde onde vivem 94 famílias há cinco anos e foi assassinada a sindicalista Kátia Martins. As informações colhidas embasarão a audiência pública sobre o tema que será realizada no próximo dia 17 pela Comissão de Direitos Humanos da Alepa. 

Por sua vez, o Ministério Público do Estado do Pará expressou preocupação com o aumento de casos de violência no campo. Em nota oficial, reafirmou seu compromisso com a defesa e promoção do direito à vida com dignidade, moradia e o direito à terra para quem nela trabalha.
E em razão do seu papel na proteção e promoção da paz no campo, incluindo acompanhamento e fiscalização da atuação dos poderes do Estado, dos serviços públicos relevantes para efetivar as políticas agrárias e fundiárias, o MPE-PA acentuou que não pode silenciar diante das mortes. 

A reforma agrária e as ações de regularização fundiária são deveres do Estado fundamentais e devem ser compreendidas como políticas públicas prioritárias para o efetivo enfrentamento, identificação e ação sobre os pontos nevrálgicos do problema, frisa a nota, assinada pelo Procurador Geral de Justiça Gilberto Valente Martins e pelas promotoras de justiça agrária Eliane Cristina Pinto Moreira, Ione Missae Nakamura, Jane Cleide Silva Souza, Sabrina S. Daibes de Amorim, promotor de justiça Ricardo Fernandes e integrantes do Grupo de Trabalho “Conflitos Agrários e Fundiários” do MPE-PA

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *