Desde sua origem, Marabá (PA) sofre anualmente enchentes dos rios Tocantins e Itacaiúnas e a população que reside em áreas de risco fica em situação de vulnerabilidade. Todos os anos a defesa civil estadual e municipal planeja, monitora e prepara…

Em noite de gala na próxima segunda-feira, 24, às 19h, no Teatro Maria Sylvia Nunes, em Belém, o governador Helder Barbalho vai lançar o 110º Campeonato Paraense de Futebol, o Parazão Banpará 2022, com transmissão ao vivo pela TV e…

Todos os órgãos de segurança estão trabalhando de forma integrada para dar suporte à população em face da destruição do pilar central e iminente desabamento do vão da ponte do Outeiro. O Centro Integrado de Comando e Controle da Segup…

O Procurador-Geral de Justiça do Estado do Pará, César Mattar Jr., recebeu em audiência o advogado Arnaldo Jordy e uma comissão integrada por Simone Pereira, da Universidade Federal do Pará; Marcelo Alves, da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e…

Empreiteiras condenadas por trabalho degradante

Em ação civil pública, a 3ª Vara do Trabalho de Ananindeua confirmou a tutela antecipada concedida em junho e condenou a empreiteira Ciplan S/C Ltda. – ME, a Construtora Bom Jesus Ltda. – ME e Viga Barra Construtora e Engenharia Eireli – ME, solidariamente, ao pagamento de indenização por dano moral coletivo, com juros e correção monetária, no valor de R$ 1.041.623,34, reversível ao FAT, por submissão de trabalhadores da construção civil, recrutados no Pará, a condições degradantes em São Paulo e Rondônia. Também determinou que se abstenham, em definitivo, de “recrutar e transportar trabalhadores, para prestação de serviços em local diverso de sua origem, sem a obtenção de certidão liberatória emitida pelo Ministério do Trabalho”. Em caso de descumprimento da obrigação, será cobrada multa de R$ 10 mil por trabalhador encontrado em situação irregular, reversível ao Fundo de Amparo ao Trabalhador.  

O Ministério Público do Trabalho apurou, em inquérito civil, que operários procuravam o canteiro de obras da Direcional Engenharia, em Marituba (PA), na tentativa de conseguir emprego, e eram encaminhados para obras em outros Estados. Ao chegarem ao local da prestação de serviços, os obreiros encontravam condições de trabalho diferentes das que lhes eram prometidas, tanto no que se refere ao valor do salário acordado quanto à sua forma de pagamento. Além disso, eram submetidos a condição degradante, alojados em estabelecimentos em péssimas condições de conservação, com lotação excedida, sem camas suficientes, nem água potável e com comida praticamente imprópria para consumo, com relatos, inclusive, da presença de pele de porco e pelos nas refeições. 

O MPT chegou a propor a assinatura de um Termo de Ajustamento de Conduta às empresas envolvidas. Mas só a Direcional Engenharia, cuja responsabilidade estava caracterizada pelo contrato de subempreitada com as empresas do Grupo Ciplan, reconheceu a importância de se adequar à lei, assinando TAC. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *