Embora o Quartel Tiradentes esteja localizado no coração do bairro do Reduto, sediando o 2º BPM e duas Companhias da Polícia Militar do Pará, os meliantes parecem desafiar abertamente os policiais. Os assaltos no bairro continuam muito frequentes, principalmente no…

Douglas da Costa Rodrigues Junior, estudante de Letras - Língua Portuguesa da Universidade Federal do Pará e bolsista do Museu Paraense Emílio Goeldi, ganhou a 18ª edição do Prêmio Destaque na Iniciação Científica e Tecnológica na área de Ciências Humanas…

O Ministério Público do Trabalho PA-AP abrirá na segunda-feira inscrições para Estágio de Nível Superior. A seleção será destinada ao preenchimento de vagas e formação do quadro de reserva de estagiários dos cursos de Administração/Gestão Pública, Biblioteconomia, Direito, Jornalismo, Publicidade/Propaganda…

Hoje, dia 23 de julho de 2021 às 19h, o Instituto Histórico e Geográfico do Pará realizada a nona “Live em Memória” da programação alusiva aos 121 anos do Silogeu, desta vez em homenagem ao centenário de nascimento do Almirante…

Duciomar multado e sem direitos políticos

O juiz federal Rafael Lima da Costa suspendeu por cinco anos os direitos políticos do ex-prefeito de Belém, Duciomar Costa(PTB), por improbidade administrativa na tentativa de compra do Hospital Sírio-Libanês, em 2005, e ainda aplicou multa de R$ 651 mil no ex-alcaide, que também ficou proibido de fazer contratos com o poder público por cinco anos. Foram alcançados também a ex-secretária de Saúde Cleide Mara Ferreira da Fonseca e o dono do hospital, Orlando Salomão Zoghbi, com a suspensão dos direitos políticos. Cleide foi multada em R$ 434 mil. O proprietário do Sírio-Libanês, condenado a devolver R$ 651 mil aos cofres públicos e a pagar multa no mesmo valor.
A ação foi ajuizada em 2008 
pelo MPF-PA, que apontou diversas irregularidades na aplicação de recursos públicos federais pela prefeitura de Belém do Pará: a compra não foi previamente aprovada pelo conselho municipal de Saúde, houve dispensa indevida de licitação, preços superfaturados, e tentativa de fraudar restrições legais que impedem o poder público de contratar entidades privadas em dívida com o Estado. 

A aquisição foi cancelada por determinação judicial, o que demonstra, no entendimento do magistrado, “o nítido propósito de burlar as regras constitucionais e legais estabelecidas, em prejuízo do próprio serviço público de saúde e em benefício indevido de particulares”. 

O processo nº 0006022-68.2008.4.01.3900 tramita na 1ª Vara Federal de Belém. Façam o acompanhamento processual aqui.

Leiam a íntegra da sentença aqui.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *