A sesquicentenária samaumeira que perdeu seus galhos na madrugada desta segunda-feira (6) é memória afetiva de todos os paraenses e até de gente de fora do Pará e do Brasil que frequenta Belém durante o Círio de Nazaré. Localizada em…

O Tribunal Regional Eleitoral do Pará oficializou o resultado da eleição suplementar em Viseu 39 minutos após o encerramento da votação. Foi eleito prefeito Cristiano Vale (nº 11 – PP – Voltando pra Cuidar da Gente) e vice-prefeito Mauro da…

Nem bem foi inaugurado, e ainda faltando a instalação dos bancos e finalização, o calçadão da Avenida Beira-Mar, em Salinópolis, sofreu diversas avarias. A Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Obras acionou a empresa responsável pela obra, que está executando ações…

A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Dragagem do Porto de Vila do Conde

O Governo do Pará fez nova investida no sentido de que o porto de Vila do Conde, em Barcarena, receba navios do tipo “Capesize”, com capacidade para até 220 mil toneladas de carga. Os secretários de Estado de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia, Adnan Demachki, e de Transportes, Kléber Menezes, além do senador Flexa Ribeiro (PSDB-PA), foram com a empresa DTA, especializada em engenharia de portos,  pedir ao ministro dos Transportes, Maurício Quintella, Processo de Manifestação Pública de Interesse para estudos de dragagem dos canais do Quiriri e do Espadarte. O ministério ficou de analisar o pleito e, em caso de aprovação, chamar outras empresas para que apresentem projetos. O passo seguinte será a licitação, dando em contrapartida o direito de explorar a navegação nos canais, cuja profundidade atual é de no máximo 14 metros, limitando o acesso a navios com no máximo 70 mil toneladas.  
A intenção é chegar a um calado de 20 metros no porto de Vila do Conde, a fim de que possa competir com o de Itaqui, no Maranhão, que tem até 24 metros de calado e recebe navios de minério em torno de 300 mil toneladas. 
Por outro lado, o secretário Adnan Demachki, responsável pela interlocução com o setor privado, está há anos trabalhando para viabilizar uma PPP da Ferrovia Paraense, de Santana do Araguaia, no sul do Pará, até o porto de Barcarena e futuramente ao de Abaetetuba. Já existem estudos de potencial de carga, de geração de postos de trabalho, providências foram tomadas para viabilizar o projeto e parcerias com a iniciativa privada estão alinhavadas. Falta o apoio do governo federal, principalmente nas linhas de financiamento do BNDES.

Adnan apresentou agora o projeto da ferrovia ao presidente da Associação Nacional dos Usuários do Transporte de Carga, Luis Henrique Valdez. A estratégia é que a Anut divulgue aos associados essa nova alternativa logística, de modo a atrair cargas para o empreendimento.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *