Um pastor de igreja evangélica localizada no município de Breves, no arquipélago do Marajó, foi condenado a 39 anos de prisão por estupro de vulnerável, exploração sexual e por possuir e armazenar pornografia infantil, com o agravante de que ele…

Acionado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, o Ministério Público Federal recomendou ao prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues, medidas efetivas para que os responsáveis pelo edifício conhecido como Bloco B da Assembleia Paraense assegurem a manutenção emergencial do…

Na quarta-feira passada (22), operários e servidores ligados à execução da reforma e readequação do Palácio Cabanagem almoçaram com o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Chicão, que preferiu essa forma de reunião para agradecer pelo compromisso com o trabalho e…

Nunca reclamem de barreiras de fiscalização no trânsito. Graças aos agentes do Detran-PA um homem vítima de sequestro foi resgatado ileso ontem à noite, por volta das 23h, na rodovia BR-316. Conforme relato do coordenador de Operações do Detran-PA, Ivan…

Diretor do HOL acolhe paciente de Abaeté

Acabo de receber atencioso telefonema do médico anestesiologista Dr. Mário Fascio, diretor do Hospital Ofir Loyola, explicando que, de fato, o HOL estava superlotado, por isso não podia internar mais ninguém; mas, hoje de manhã, com a alta de uma servidora, o leito vago já está preparado para receber a paciente Maria da Conceição Rodrigues Ferreira, de Abaetetuba, em situação crítica, conforme descrito no posts Paciente com câncer sem leito no HOL e  Onde os fracos não têm vez. A família dela já foi contactada e uma ambulância a transportará para Belém. Obrigada e parabéns ao Dr. Mário Fascio que, de modo simples, reconheceu e explicou as dificuldades do HOL (cujo presidente, Dr. Vítor Moutinho, operou nesta semana uma hérnia de hiato) e se colocou à disposição para tentar resolver as urgências, dentro de suas possibilidades, ao contrário da postura arrogante e desumana da Sespa.

Um dos maiores dramas do Hospital Ofir Loyola é a falta de atendimento aos pacientes de iodoterapia, já que os quartos de necessário isolamento estão interditados há meses por causa de problemas nos processos licitatórios, que esbarram na obrigatoriedade de primeiro chamar as pequenas e médias empresas – e na incapacidade destas de executar o serviço, que exige, por exemplo, a aplicação da substância barita, para proteção radiológica das salas – e que por isso se prolongam indefinidamente. A questão, que foge à governabilidade do HOL e que não é assumida pela Sespa, é o dever de o Estado garantir o tratamento em hospitais particulares, enquanto não for capaz de proporcionar o atendimento direto. E isso vale, é óbvio, para a quimioterapia, a radioterapia e hemodiálise. Afinal, os pacientes não podem ficar entregues à própria sorte, sob risco de morte iminente por desassistência, por conta de entraves burocráticos.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *