Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

As Diretorias de Combate à Corrupção e de Polícia do Interior da Polícia Civil do Pará prenderam hoje (28), no Distrito Federal, durante a Operação "Litania”, uma falsa empresária e sócios-proprietários que utilizavam empresa de fachada como instituição financeira para…

A Secretaria de Estado da Fazenda do Pará publicou extrato de dispensa de licitação para contratar a Prodepa, por R$800.427,88, a fim de desenvolver novo site da Transparência do Governo do Pará, com criação de nova arquitetura de informação, navegação…

Andar de motocicleta proporciona histórias, experiências e adrenalina. Motos oferecem facilidade de locomoção rápida e de conseguir estacionamento. Mas a liberdade é, sem dúvida, o motivo número 1 de todo motociclista. Sentir o vento, o clima, fazer parte da paisagem. Este é…

Diretor da Vale depôs à CPI e mais dois executivos serão ouvidos

O diretor da Vale Octávio Bulcão Nascimento foi o primeiro a ser ouvido pela Comissão Parlamentar de Inquérito que investiga a atuação da Vale no Pará, na quarta-feira passada, 30 de junho. O executivo é responsável pelos setores jurídico, tributário, societário e integridade corporativa da mineradora, com abrangência global. Também atua como diretor da Vale Internacional S.A. e membro efetivo do Conselho de Administração da Vale Nova Caledônia. A segunda oitiva, na próxima terça–feira (06.07) às 10 horas, no plenário da Alepa, será do executivo da área de contabilidade da Vale, Murilo Miller, e do vice–presidente executivo de Jurídico e Tributário da Vale S.A, Alexandre Silva D’Ambrósio. Em razão da pandemia, o depoimento foi remoto, transmitido ao vivo pelos canais de comunicação da Assembleia Legislativa do Estado do Pará.

O depoimento à CPI demorou cerca de três horas. Octávio Bulcão admitiu que a Vale mantém contas na Suíça mas negou que lá seja um paraíso fiscal. “A Vale, como empresa multinacional, tem a necessidade de internacionalizar, já que o principal mercado consumidor está fora do país, mais especificamente na Ásia. Por essa razão, a necessidade de ter acesso a esses mercados para garantir competitividade e, por razões operacionais, que sejam montadas estruturas internacionais em países como a suíça”, declarou.

Questionado sobre a precificação de exportação com valores menores para a Suíça e China, sendo esta a maior destinatária das exportações da Vale e sobre o sistema de triangulação de operações, o executivo respondeu que a legislação brasileira permite esse tipo de tributação. Contudo, inquirido sobre o percentual que a Vale recolhe de impostos na Suíça, não soube responder e prometeu enviar à CPI os demonstrativos com as informações.

O depoimento do executivo evidenciou que a gigante da mineração age dentro das “brechas” da legislação brasileira. Por exemplo, sobre o quantitativo dos tributos recolhidos no Brasil em razão da comercialização do ouro, oriundo do projeto Salobo, Octávio confirmou que existe a presença de ouro na exportação do cobre concentrado e que o pagamento não é feito separadamente. “Conforme a legislação, o pagamento é sobre o concentrado de cobre. O ouro contido no concentrado de cobre é vendido para terceiros. Não há no Brasil pagamento de nenhum tributo relacionado ao ouro”, afirmou. Ou seja: o ouro é extraído e negociado em separado no mercado internacional, mas a Vale não faz um recolhimento específico, vai tudo no “bolo” do cobre.

A CPI é presidida pelo deputado Eraldo Pimenta, que tem como vice Carlos Bordalo e relator Igor Normando. Cilene Couto, Eliel Faustino, Miro Sanova e Ozório Juvenil são membros titulares. O objeto da Comissão é apurar a concessão de incentivos fiscais, o descumprimento de condicionantes ambientais, a ausência de segurança em barragens, repasses incorretos de recursos aos municípios, além de verificar as práticas dos preços externos de acordo com as normativas legais, o cadastro geral dos processos minerários existentes no Estado e outros fatos que afetem o desenvolvimento econômico do Pará.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *