Hoje, dia 23 de julho de 2021 às 19h, o Instituto Histórico e Geográfico do Pará realizada a nona “Live em Memória” da programação alusiva aos 121 anos do Silogeu, desta vez em homenagem ao centenário de nascimento do Almirante…

A igreja de São Francisco de Assis em Belém do Pará, carinhosamente chamada pelos fiéis de "Capuchinhos", completará cem anos de sua inauguração em 02 de outubro de 2022. A abertura oficial das festividades será com um concerto na igreja…

O trânsito continua matando mais do que muitas guerras. A administradora Gina Barbosa Calzavara, coordenadora dos bosquinhos da Universidade Federal do Pará, fez uma emocionante homenagem à memória do jovem Jean Serique Lameira, esportista do ciclismo e que também usava…

O Laboratório de Engenharia Biológica do Parque de Ciência e Tecnologia - PCT Guamá está estudando o sequenciamento genético do açaí, de modo a assegurar a rastreabilidade de ponta a ponta na cadeia produtiva e padrões de qualidade para os…

Dinamarquesas pedem refúgio

O drama das dinamarquesas Angelina Maalue Avalon Mathieses e Lisbeth Markussen, que fugiram para o Brasil com os respectivos filhos e agora são procuradas pela Interpol, desaguou hoje na Alepa. Elas foram lá, acompanhadas  pela advogada Luanna Tommaz, pedir apoio do Legislativo parauara ao requerimento de refúgio perante o Comitê Nacional de Refugiados, do Ministério da Justiça. O pedido das duas é fundamentado na violação de direitos humanos, por violência doméstica. Se o Brasil reconhecer essa condição, será o primeiro caso nacional. O presidente da Comissão de Direitos Humanos, deputado Carlos Bordalo, recebeu as duas estrangeiras e se colocou à disposição para ajudar no processo e também ofereceu a estrutura da Alepa para a emissão de documentos a ambas e às crianças. 

As dinamarquesas conseguiram habeas corpus e agora podem evitar a prisão, pelo menos até que o pedido de refúgio seja apreciado.
Angelina é mãe de Aia Sofia com Peter Alexander Lawaetz, e também de Leonardo, cujo pai é Vladimir Valiant Todorovski. Após acusar Peter de agressão, e Vladimir de ter abusado sexualmente da enteada, a justiça da Dinamarca decidiu que as crianças deveriam ficar com seus pais enquanto o processo tramitasse na justiça.
Assim como Angelina, Lisbeth também denuncia que fugiu com os filhos por sofrer agressões.  

Segundo Luanna Thomaz, Angelina e Lisbeth fugiram para o Brasil por se sentirem desamparadas pela lei da Dinamarca. Elas pesquisaram pela internet e assim souberam da Lei Maria da Penha. Por acreditarem que aqui estariam protegidas pela legislação, escolheram o país. Elas contaram que querem ficar no Pará, gostam muito daqui e das pessoas, as crianças se adaptaram bem e só desejam ter uma vida normal, com segurança. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *