0

As deputadas Lívia Duarte, presidente da Comissão de Cultura, e Maria do Carmo Martins Lima, vice-líder do Governo na Alepa, vão representar as mulheres amazônidas parauaras na ONU durante a 68ª sessão da Comissão sobre o Estatuto da Mulher (CSW), na comitiva de 16 mulheres lideradas pela primeira-dama do Brasil, socióloga Janja Lula da Silva. O evento, considerado o segundo maior da ONU, será de 11 a 22 de março, na sede da Organização das Nações Unidas, em Nova Iorque. Integram a comitiva, entre outras lideranças femininas, a ministra das Mulheres Cida Gonçalves; Luanda Morais Pires, representante da sociedade civil no Conselho Nacional dos Direitos da Mulher; e Ali Lubascher, presidente da BPW Brasil (Federação das Associações de Mulheres de Negócios e Profissionais do Brasil) e Denise Dourado Dora, advogada especializada em Direitos Humanos.

Na programação do CSW, temas palpitantes como igualdade de gênero e empoderamento de mulheres e meninas, combate à pobreza, à violência e ações para a equidade salarial pontuarão os debates. Ao final do evento, um documento será gerado pelas representantes das 195 nações inscritas, levado pelo secretário-geral da ONU a todos os países, consolidando propostas.

“Participar de evento de tal magnitude representando o Pará, a Amazônia e o Brasil, ao lado da primeira-dama Janja, que tem assumido protagonismo mesmo fora do governo, além de histórico, é um passo importantíssimo para fortalecer mulheres em cargos de administração, gestão e na política, encorajando-as a compreender a legislação e a participar ativamente da real construção dos direitos das mulheres”, comenta Lívia Duarte.

Antes do CSW, a delegação brasileira participará do Leaders Summit da BPW Internacional, no emblemático Harmonie’s Club em Nova Iorque, segundo clube social mais antigo da cidade e frequentado exclusivamente por homens, que se transformou ao receber as mulheres da BPW em edições anteriores e agora em 2024. O encontro servirá para discutir dinâmicas e necessidades na administração das associações de todo o mundo, trocando experiências com projetos em andamento, junto a associadas de 112 países.

Plantando Umari no Umarizal

Anterior

O morto se mexeu

Próximo

Vocë pode gostar

Mais de Notícias

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *