Área contígua ao centro histórico de Belém do Pará, Zona Especial do Patrimônio Histórico declarada por lei, o bairro do Reduto, cenário industrial da belle Époque, da Doca do Reduto no início do século XX, com suas canoas coloridas repletas…

A Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça fixou, sob o rito dos recursos repetitivos, a tese de que o servidor federal inativo, independentemente de prévio requerimento administrativo, tem direito à conversão em dinheiro da licença-prêmio não usufruída durante a…

O prefeito Edmilson Rodrigues cumpriu agenda institucional em Brasília, ao lado do secretário municipal de Gestão e Planejamento, Cláudio Puty. No Ministério da Economia, trataram das obras de saneamento básico no Canal do Mata Fome, no bairro do Tapanã, onde…

O leite materno contém propriedades importantes para o crescimento e desenvolvimento do bebê, fortalecendo a sua imunidade contra diversas doenças. Em 1992 a Aliança Mundial de Ação Pró-Amamentação criou a Semana Mundial de Aleitamento Materno, de 1 a 7 de…

Dê cartão vermelho ao trabalho infantil

De acordo com dados do IBGE relativos a 2013, há 3,2 milhões de crianças e adolescentes trabalhando no Brasil, na faixa etária entre 5 e 17 anos. A maioria, do sexo masculino. No Pará, 198 mil crianças e adolescentes trabalham de forma ilegal, segundo o TRT 8ª Região. Estatísticas mostram que a criança, quando trabalha, tem seu futuro comprometido, não só pelo aspecto financeiro ou patrimonial, mas principalmente emocional.

Para alertar a sociedade acerca dos danos irreversíveis à saúde psicológica e física, ao desenvolvimento e ao processo de educação de meninos e meninas submetidos a atividades impróprias a essa idade, órgãos governamentais, ongs e cidadãos comprometidos na luta em prol das crianças e adolescentes farão a Marcha de Belém Contra o Trabalho Infantil, no próximo dia 1º de março, com saída da Escadinha da estação das Docas e chegada na Praça da República. É um equívoco acreditar que, para a criança pobre, “é melhor trabalhar do que ficar na rua”, ou “é melhor trabalhar do que roubar”. O movimento pretende mostrar que brincar e estudar devem ser as atividades prioritárias das crianças.

A ação integra o Programa de Erradicação do Trabalho Infantil da Justiça do Trabalho da 8ª Região, que conta com o apoio de mais 87 parceiros, entre eles a Associação dos Magistrados Trabalhistas da 8ª Região (Amatra8), Associação dos Magistrados do Estado do Pará (Amepa), TJE-PA, MPE-PA, MPT-PA, Ampep, OAB-PA, UFPA, Atep-PA, Governo do Pará, Prefeitura de Belém, Fiepa, Fecomércio, Sebrae-PA, Senai, Unicef, OIT, Comissão Justiça e Paz da CNBB Norte II, Cáritas, Arquidiocese de Belém, Sindicato dos Jornalistas do Pará, clubes de futebol, supermercados, SRTE-PA, Sinait e FPF. As juízas Zuíla Lima Dutra, titular da 5ª Vara do Trabalho de Belém, membro da Comissão Nacional e gestora regional do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil, e Vanilza de Souza Malcher, da 2ª Vara do Trabalho de Belém, também gestora regional, coordenam a campanha. 

Dez razões pelas quais a criança não deve trabalhar:

1) Criança ainda não tem seus ossos e músculos completamente
desenvolvidos. Por isso corre maior risco de sofrer acidentes; 
2) A entrada e saída de ar dos pulmões da criança são reduzidas,
sendo mais afetada pelas substâncias tóxicas que podem levar à
morte; 
3) O coração da criança bate mais rápido que o do adulto,
aumentando sua frequência cardíaca diante do esforço e comprometendo a saúde;
4) O sistema nervoso da criança não está totalmente desenvolvido,
o que provoca sintomas como: dores de cabeça, insônia, tontura,
dificuldade de concentração e de memorização, com prejuízo ao
rendimento escolar; 
5) Criança tem fígado, baço, rins, estômago e intestino ainda em
desenvolvimento, o que facilita a intoxicação;
6) O corpo da criança produz mais calor que o do adulto quando
submetido a trabalho pesado, o que pode causar, dentre outras
coisas, desidratação e maior cansaço; 
7) A pele da criança é mais sensível aos agentes físicos, químicos
e biológicos; 
8) Criança tem visão periférica menor que a do adulto; enxerga
menos o que ocorre ao seu redor e fica mais sujeita a sofrer acidentes
de trabalho;
9) Criança tem maior sensibilidade aos ruídos que o adulto, o que
pode provocar perdas auditivas mais intensas e rápidas;
10) O trabalho infantil inviabiliza vários direitos da criança, como a
oportunidade de brincar, estudar e aprender, dificultando seu
desenvolvimento físico, emocional e intelectual.

Participe! Dê um cartão vermelho ao trabalho infantil. Nesse jogo, todos somos juízes.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *