Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Crime ambiental

No dia 31 de maio um vazamento de milhares de litros de óleo diesel se estendeu por vários quilômetros nos rios Tapajós e Amazonas, atingindo também o Lago Maicá, em Santarém, atração turística e protegido por leis ambientais, onde centenas de famílias residem e sobrevivem da pesca, além do que bebem dessa água, usam para fazer a comida. O acidente aconteceu no porto da Bertolini, quando a empresa realizava a manutenção de um empurrador.

O desastre ecológico alterou a cor das águas, causou prejuízos incalculáveis à atividade pesqueira, além da contaminação que atingiu a saúde dos ribeirinhos. 
Na área atingida, foi realizada contenção do óleo com barreiras e mantas de absorção. A Bertolinni Transportes foi multada em R$15 milhões pela poluição ambiental, mas jura que o derramamento de óleo não causou qualquer dano à flora e à fauna.
A empresa opera um porto concretado de mais de 6 mil metros quadrados numa área de praia no bairro do Uruará, sem licença dos órgãos ambientais, e vai da rua rio adentro, destruindo uma avenida,  além de impedir o direito de ir e vir dos residentes no bairro e adjacências. 
É o caso de perguntar que providências a Sema, Ibama, MPE e MPF vão tomar a respeito do abuso e do crime ambiental. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *