Nesta quinta-feira, dia 21, até o sábado, 23, a Escola do Legislativo da Assembleia Legislativa do Pará oferece os cursos de qualificação e atualização do projeto Forma Alepa/Elepa Itinerante em Santarém, atendendo toda a região do Baixo Amazonas, abrangendo também…

Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Crianças renais crônicas sem assistência adequada

É muito grave a situação das crianças renais crônicas que precisam fazer transplante renal pelo SUS. No último dia 17 foi perdido um rim que seria doado a uma pequenina porque o Hospital Ofir Loyola não deu o suporte necessário à realização da cirurgia. A UTI pediátrica simplesmente foi desativada no hospital, o que acarreta consequência desastrosa para as 28 crianças que fazem hemodiálise na Santa Casa, parte delas sem a menor possibilidade de ir fazer transplante em outro Estado, visto que o TFD – Tratamento Fora de Domicílio – não está pagando os custos desses deslocamentos. A maioria das Secretarias de Saúde atrasa o pagamento mensal e outras só pagam as passagens, assim inviabilizam a ida das crianças para outro centro transplantador devido ao elevado custo financeiro. A diária do TFD é de míseros R$24,79 por pessoa (renal crônico).

Dois quartos do Ofir Loyola estão interditados para reforma há mais de três meses e permanecem fechados porque o hospital não pagou a empresa responsável pela obra. Os quartos ainda não estão acabados. Uma enfermaria com três leitos está fechada porque não tem ar-condicionado e as paredes estão com mofo, não sendo possível colocar os pacientes lá, já que eles não têm resistência a qualquer tipo de bactéria e fungo. Na sexta-feira passada, quando da realização de quatro transplantes, foi um corre-corre para não perder os órgãos. 

O blog ouviu o HOL e a Secretaria de Comunicação do Estado a respeito de todas essas circunstâncias. Em nota, a Secretaria de Estado de Saúde Pública limitou-se a informar que “está concluindo os procedimentos necessários para transferência dos serviços de transplantes infantis para instituições de saúde do Estado. A Sespa ressalta ainda que, quando ocorrem impedimentos de realização de transplante, nenhum órgão é perdido. Eles são encaminhados para aproveitamento em outros centros de transplante.” Nem uma palavra a respeito das instalações do HOL e da questão da assistência às crianças que são pacientes renais crônicas.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *