O Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade anunciou que vai reabrir no próximo dia 31 a Floresta Estadual de Trombetas, na Base do Jaramacaru, para a coleta da safra da castanha-do-Pará. Alega que discutiu a medida com a Secretaria…

Apesar de ser distrito insular de Belém, Caratateua - nome de origem Tupi Guarani que significa “Terra das Grandes Batatas” ou “Lugar das Muitas Batatas” (ali havia plantações de batata-doce em grande quantidade), com cerca de 80 mil habitantes distribuídos…

Primeira mulher a presidir – e ser reeleita com votação consagradora - a Tuna Luso-Brasileira, clube com 119 anos de existência, Graciete Maués, 72 anos, professora de Educação Física aposentada, assume interinamente a presidência da Federação Paraense de Futebol na…

A fiação elétrica emaranhada aos galhos de árvores na frente da Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos, entre as ruas Padre Prudêncio e Aristides Lobo, no bairro da Campina, em Belém do Pará, é o retrato da…

CPI constata existência de milícias

Agora de manhã, a Comissão Parlamentar de Inquérito da Assembleia Legislativa do Estado que investiga a existência de grupos de extermínio e de milícias no Pará colhe depoimentos da Ouvidora do Sistema de Segurança Pública, Eliana Fonseca, e da delegada Ione Pereira Coelho, diretora de Polícia Especializada da Delegacia Geral, a portas fechadas, na sala dos ex-presidentes da Alepa. “Uma coisa é certa: há grupos de extermínio e de milícias. É possível afirmar, com base nos depoimentos colhidos, sem medo de errar, que não há crimes isolados – como o de Icoaraci, onde o autor está preso, condenado a 100 anos de prisão – mas faz parte de uma ação coletiva, sistemática e complexa, que envolve pagamento de empresários por serviços de extermínio, proteção dos negócios e outros e a relação criminosa com grupos de tráfico de armas e de drogas”, adiantou o deputado Edmilson Rodrigues (PSOL), autor da CPI, a jornalistas.
Participam da oitiva, além de Edmilson, o relator, 
deputado Carlos Bordalo (PT), o presidente da comissão, deputado Augusto Pantoja (PPS) e a deputada Tetê Santos (PSDB).
A CPI já ouviu vários depoimentos de familiares de vítimas, do ex-secretário de Segurança Pública, Geraldo Araújo, e do promotor de justiça militar Armando Brasil. 

“Já conseguimos avançar muito. É difícil o acesso a informações detalhadas. Faremos um relatório que vai dignificar a Assembleia Legislativa”, declarou Edmilson. O relatório deverá ser entregue até o final deste mês. 

A CPI foi instalada por ato do presidente da Alepa, deputado Márcio Miranda(DEM), a requerimento de Edmilson Rodrigues com 14 assinaturas de apoio, na forma disposta pelo regimento interno da Casa e pela Constituição Estadual, com o objetivo de elucidar a chacina de dez moradores dos bairros do Guamá e da Terra Firme, em seguida à execução do cabo Antônio Marcos Figueiredo, o “Cabo Pet”, da Polícia Militar, em quatro de novembro de 2014, no Guamá,  que Pet integrava grupo de extermínio que contaria com a participação de outros policiais militares e civis, financiada por comerciantes e traficantes, de acordo com denúncias. A morte do PM teria sido executada por um grupo de bandidos com atuação no bairro e a chacina subsequente teria a participação direta de colegas de farda do militar assassinado.
A CPI apura também a atuação de outros grupos de extermínio e de milícias no Pará.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *