Aprovado à unanimidade pela Assembleia Legislativa, o projeto de lei nº 245/2021, de autoria do Poder Executivo, dispondo sobre a denominação do Arquivo Público do Estado do Pará, em homenagem ao jurista e professor paraense Zeno Augusto de Bastos Veloso,…

Ontem duas famílias viveram momentos de terror, vítimas de assalto à mão armada por volta das 13 horas, durante passeio no Parque do Utinga, um dos lugares mais lindos de Belém e importante equipamento turístico parauara. Trata-se do oitavo roubo…

Em iniciativa inédita, o Fórum de Entidades em Defesa do Patrimônio Cultural Brasileiro celebra os percursos individuais e coletivos que construíram as políticas de salvaguarda do patrimônio cultural no Brasil, lançando a obra “Em Defesa do Patrimônio Cultural”, organizado por…

Neste sábado, 16, postos de saúde ficarão abertos para a vacinação com foco em menores de 15 anos. Em Belém, 11 unidades vão funcionar das 8h às 14h. A campanha da Multivacinação iniciou no dia 04 de outubro e segue…

Cosanpa cuidará dos buracos e terá subsídio aos vulneráveis

A Cosanpa abriu nada menos que seiscentos buracos imensos nos bairros mais movimentados de Belém, infernizando a vida de todo mundo com engarrafamentos e causando graves riscos de acidentes, principalmente porque chove sempre, e quando as ruas alagam os buracos ficam invisíveis. O serviço de troca de tubulação é extremamente necessário há décadas. Mas o modo como está sendo executado é um tormento adicional à população. O prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues, incomodado com a situação, cujo peso já estava caindo nas suas costas, reclamou ao governador Helder Barbalho, que chamou a Cosanpa e a empresa executora para uma conversa ao pé do ouvido. Ficou acertado que de agora em diante haverá planejamento e método, os buracos serão concluídos e só depois as obras passarão a outro setor.

A velha questão da inadimplência, agravada durante a pandemia de Covid-19, também foi abordada. Historicamente ineficiente e deficitária, a Cosanpa precisa sempre de aportes do Tesouro estadual para quitar suas contas. Mas agora o governo do Pará resolveu assumir a responsabilidade junto aos consumidores mais pobres, que por absoluta impossibilidade financeira acabam fazendo desvios da tubulação para conseguir água, o que aumenta ainda mais o problema do desperdício. Para enfrentar essa “embrulhada”, o Poder Executivo ficou de enviar à Assembleia Legislativa um projeto de lei garantindo o subsídio às famílias em vulnerabilidade social, que se enquadram no consumo mínimo. De quebra, o governo cumprirá recomendação no sentido da regularização da forma de socorro que presta à estatal da administração indireta, já reiterada pelo TCE-PA.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *