0

Hoje (6) de manhã no Palácio do Planalto havia uma multidão de paraenses. Ao lado da vice-governadora Hana Ghassan Tuma, o governador Helder Barbalho assinou com a Itaipu binacional convênios, acompanhado pelo presidente da Alepa, deputado Chicão, pelos senadores Jader Barbalho e Beto Faro; pelos deputados federais José Priante, Henderson Pinto, Antonio Doido e Renilce Nicodemos; e pelo deputado estadual Igor Normando, atual secretário de Articulação da Cidadania, além de boa parte da bancada governista na Alepa e na Câmara Municipal de Belém. Prestigiaram o evento o ministro da Casa Civil, Rui Costa; o ministro das Cidades, Jader Barbalho Filho; o diretor-geral brasileiro de Itaipu, Enio Verri; e o prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues, que também assinou convênio, no valor de R$ 323,5 milhões, que serão aplicados na implantação do Parque Urbano Igarapé São Joaquim, incluindo projetos de arquitetura, paisagismo, rede de esgoto, abastecimento, iluminação pública, pavimentação e sinalização viária, além da reforma e revitalização do Complexo Ver-o-Peso e da restauração do Mercado Municipal de São Brás.

“São obras que certamente farão com que Belém seja uma cidade melhor, embora ainda tenhamos desafios como qualquer centro urbano do nosso país. Continuaremos tendo dificuldades, mas certamente Belém, o Pará e a Amazônia, com a COP30, serão um lugar melhor, uma região mais próspera e, acima de tudo, contribuindo para os desafios ambientais e sociais”, declarou Helder Barbalho, adiantando que só nas obras que cabem ao Governo do Pará estão garantidos mais 20 Km de macrodrenagem nos canais da capital. “Nós estamos fazendo um chamamento ao mundo, de que a COP da Floresta será um novo momento para soluções em que a floresta seja um ponto central. Não para apenas apontarem o dedo e nos dizer as [nossas] responsabilidades, mas para construir junto, conosco, soluções que possam preservar o meio ambiente, inserindo uma nova atividade econômica baseada na natureza”, pontuou.

O ministro da Casa Civil, Rui Costa, acentuou que a COP no bioma amazônico é uma ação estratégica e didática para os participantes conhecerem a realidade local e a floresta e deixou claro que município, estado e União estão unidos na organização da COP. Por sua vez, Verri alertou: “As recentes tragédias decorrentes das enchentes no Rio Grande do Sul servem como alerta para as consequências devastadoras do desequilíbrio climático, ressaltando que a empresa e governo têm o dever de liderar o movimento em direção ao futuro mais sustentável e à transição energética. Não é apenas uma mudança nas fontes de energia fóssil para as alternativas renováveis, mas sim uma transformação profunda que busca construir uma sociedade mais justa equilibrada e ambientalmente consciente. Ao sediar a COP, um fórum internacional da ONU para debater mudanças climáticas pela primeira vez na região da Amazônia, o Brasil reafirma seu compromisso com o desenvolvimento sustentável e a preservação ambiental”.

A maior parte (cerca de R$ 1 bilhão) dos recursos terá como objetivo modernizar a infraestrutura viária de Belém e a implantação do Parque Linear Doca. Estão previstas ações na área de saneamento, como a execução de 50 quilômetros de rede coletora de esgoto, 4,8 mil ligações de tubulações, pavimentação de vias de acesso ao local da COP 30, implantação de vias marginais do Canal Água Cristal, e a instalação de equipamentos de controle de tráfego. incluindo esgotamento sanitário da sub-bacia do Una, com despoluição e mitigação do lançamento de dejetos no córrego na parte central da Av. Visconde de Souza Franco, que terá reorganização do tráfego, criação de espaços públicos, requalificação ambiental e aumento da biodiversidade, com implantação de esgotamento sanitário, cujos efluentes serão encaminhados à estação de tratamento existente, além das obras da Perna Sul da Rua da Marinha até o Canal Água Cristal. Será implantado Sistema de Inteligência das Vias + CCO (Central de Controle Operacional), dotado de equipamentos para coleta e transmissão de informações de contagem de tráfego, infrações e segurança nas vias revitalizadas a serem integrados no CCO, que funcionará nas dependências do Centro Integrado de Comando e Controle (CICC).

R$41,8 milhões serão destinados ao projeto de Gestão de Resíduos Sólidos, Educação Ambiental e Inovação em Bioeconomia, que será executado pelo Governo do Pará em parceria com a Fundação de Amparo e Desenvolvimento da Pesquisa (Fadesp) e Fundação Parque Tecnológico de Itaipu (FPTI).

Unama debate desafios em megaeventos

Anterior

Concerto na igreja de Santo Alexandre

Próximo

Vocë pode gostar

Mais de Notícias

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *