Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Aprovado à unanimidade pela Assembleia Legislativa, o projeto de lei nº 245/2021, de autoria do Poder Executivo, dispondo sobre a denominação do Arquivo Público do Estado do Pará, em homenagem ao jurista e professor paraense Zeno Augusto de Bastos Veloso,…

Ontem duas famílias viveram momentos de terror, vítimas de assalto à mão armada por volta das 13 horas, durante passeio no Parque do Utinga, um dos lugares mais lindos de Belém e importante equipamento turístico parauara. Trata-se do oitavo roubo…

Conflito armado em Anapu

A situação na região de Mata Preta, no município de Anapu,  oeste do Pará, é muito grave. A procuradora da República dos Direitos do Cidadão, Deborah Duprat, requereu ontem ao Ministério da Justiça e da Cidadania o deslocamento para lá de integrantes da Força Nacional, em caráter de urgência, com objetivo de  conter a violência na área – alvo de disputa entre trabalhadores rurais e supostos proprietários. De acordo com a Ouvidoria Agrária, há um quadro de  conflito armado, com presença de pistoleiros e ameaças a famílias de lavradores para que deixem as terras que ocupam, sem mandado judicial de reintegração de posse. A Secretaria de Estado de Segurança Pública reforçou o policiamento na área, que é um verdadeiro barril de pólvora prestes a explodir.

Anapu é tristemente famosa pela luta sangrenta pela terra, que vitimou, entre outros, a missionária Dorothy Stang, assassinada por encomenda há 11 anos, em 12 de fevereiro de 2015, no mesmíssimo local, a gleba pública federal Bacajá, onde estão os lotes ocupados há mais de 10 anos pelas famílias ameaçadas. Só do ano passado para cá seis pessoas foram mortas em meio às disputas fundiárias locais, conforme denúncias da Comissão Pastoral da Terra, da CNBB Norte II.

Acessem a íntegra da solicitação do Ministério Público Federal aqui.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *