O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Comissão da Verdade, Memória e Justiça dos Jornalistas do Pará

Neste sábado, 16, às
19h, será lançado o “Cineclube do
Sinjor
“, parceria do Sindicato dos Jornalistas no Estado do Pará com a
Associação de Críticos de Cinema do Pará. A exibição regular terá, sempre na
primeira terça-feira de cada mês, filmes que abordem a atividade jornalística. O
evento marca a posse dos membros da
Comissão da Verdade, Memória e Justiça dos Jornalistas do Pará.
Aceitei, com muita
honra, a missão de integrar esta Comissão, ao lado dos colegas Sheila Faro,
presidente do Sinjor-PA, Priscilla Lima do Amaral, Luciana Kellén e Emanuel Villaça. A comissão nacional é coordenada pelos jornalistas Audálio
Dantas, Carlos Alberto Oliveira (Caó), Nilmário Miranda, Rose Nogueira e Sérgio
Murillo de Andrade.
Nosso trabalho será fazer amplo levantamento
documental e iconográfico, recuperando a história dos jornalistas vítimas da
ditadura militar, no período de 1964 a 1985. O propósito é resgatar não apenas
os casos de mortos e desaparecidos, mas também de todos os que foram
comprovadamente perseguidos, ameaçados, cassados, indiciados em processos, condenados,
exilados, presos e torturados,
e de tantos outros que,
apesar de sobreviverem à perseguição tiveram suas vidas pessoais e
profissionais expostas e alteradas. As fontes serão, preferencialmente,
documentos oficiais. Outras fontes serão consideradas desde que devidamente
citadas em entrevistas ou depoimentos de vítimas ou testemunhas, devidamente
assinadas pelos depoentes ou entrevistados. O relatório final será entregue à
Comissão Nacional, na sede da FENAJ, em Brasília, até 31 de março.
Emblematicamente, 2012
teve um dos mais elevados registros de assassinatos de profissionais de
comunicação no mundo.



* A jornalista Sheila Faro saiu da Comissão e assumiu a sua vaga o jornalista José Maria Piteira.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *