Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Começa o Fórum Social Pan-Amazônico

Neste primeiro dia, além de programações temáticas, haverá uma marcha dos movimentos de mulheres, quilombolas, ribeirinhos e indígenas, com concentração a partir das 16h na Escadinha do Porto de Belém e saída às 18h. O trajeto inclui a Av. Presidente Vargas e a Av. Assis de Vasconcelos, até a Praça Waldemar Henrique, no bairro do Reduto, onde será a abertura oficial do X Fórum Social Pan-Amazônico, nesta quinta-feira (28).

A marcha será animada por bateria de escola de samba, grupos culturais indígenas, quilombolas eafro-religiosos. Na chegada, o Palco da Concha recebe a guitarrada do mestre Manoel Cordeiro e os agitadores culturais Renato Lu e Márcia Kambeba.Após a exibição do vídeo de acolhimento, haverá apresentação de povos indígenas, banho de cheiro com afro-religiosos e homenagem aos defensores dos povos da Amazônia, com leitura do poema Libertade, em homenagem a Bruno Pereira e Dom Phillips. O reitor da UFPA, Emmanuel Zagury Tourinho; e o prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues, anfitriões do X Fospa, saudarão os representantes do Comitê Pan-Amazônico. O coordenador geral do X Fospa é Luiz Arnaldo Campos.  O espetáculo Ballet Folclórico da Amazônia encerrará a noite cultural.

Até o domingo, 31 de julho, a Universidade Federal do Pará receberá estudantes de todas as origens na Amazônia, e será palco de discussão, reflexão crítica e diálogo sobre a diversidade de saberes e culturas da região. Além do Brasil, Venezuela, Peru, Bolívia, Colômbia, Equador, Guiana, Guiana Francesa e Suriname participam do evento.

Amanhã de manhã (29), haverá o Tribunal dos Direitos da Natureza e, na tarde do dia 30, o Tribunal de Justiça e Defesa dos Direitos das Mulheres Pan-Amazônicas e Andinas. Os tribunais serão instalados no Centro de Eventos Benedito Nunes, da UFPA, e contam com depoentes e juízes dos países que integram a Pan-Amazônia. Também no “Benedito Nunes”, está prevista uma emocionante homenagem aos mártires da Amazônia, um ato em memória de quem dedicou sua vida à defesa do território e seus povos. A iniciativa é organizada pelo Conselho Amazônico de Igrejas Cristãs e unirá representantes de diversas religiões em uma caminhada até a orla da universidade. 

Movimentos, redes, coletivos, ativistas, instituições e organizações de povos indígenas, quilombolas, ribeirinhos, seringueiros, caboclos, camponeses, artistas, religiosos, defensores da natureza, comunicadores, acadêmicos e mulheres,habitantes da Amazônia e de outras regiões do planeta comprometidos com a defesa da vida, participaram hoje de manhã da Segunda Assembleia Mundial pela Amazônia «Rumo ao X Fospa», de modo presencial e virtual, em Belém. A intenção é fortalecer o Fórum, suas cinco casas de conhecimento e sentires (Bens Comuns, Povos e Direitos, Territórios e Autogoverno, Mãe Terra e Resistência das Mulheres), compartilhar e refletir sobre uma série de iniciativas, como a construção de proposta normativa para deter o desmatamento exportado, articulação de uma frente parlamentar mundial a favor dos direitos da natureza e contra o ecocídio, desenvolvimento de ações para enfrentar a guerra na Ucrânia, fortalecimento da solidariedade internacional contra todos os projetos e formas de autoritarismo, e a convocação de Assembleias da Terra para fortalecer os processos de autogestão territorial, articular lutas contra o extrativismo em nível global, promover o reconhecimento dos direitos e a participação da natureza, e criar espaços para construir propostas e ações diante da crise climática e ecológica, diante da cooptação corporativa e do fracasso das conferências das Nações Unidas sobre mudanças climáticas e biodiversidade, além de conversar sobre um plano de ação pós X Fospa a fim de salvar vidas na Amazônia e no planeta Terra.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *