Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

As Diretorias de Combate à Corrupção e de Polícia do Interior da Polícia Civil do Pará prenderam hoje (28), no Distrito Federal, durante a Operação "Litania”, uma falsa empresária e sócios-proprietários que utilizavam empresa de fachada como instituição financeira para…

A Secretaria de Estado da Fazenda do Pará publicou extrato de dispensa de licitação para contratar a Prodepa, por R$800.427,88, a fim de desenvolver novo site da Transparência do Governo do Pará, com criação de nova arquitetura de informação, navegação…

Andar de motocicleta proporciona histórias, experiências e adrenalina. Motos oferecem facilidade de locomoção rápida e de conseguir estacionamento. Mas a liberdade é, sem dúvida, o motivo número 1 de todo motociclista. Sentir o vento, o clima, fazer parte da paisagem. Este é…

Comandante do 17º BPM denunciado

O promotor de Justiça Militar Armando Brasil Teixeira denunciou hoje o tenente coronel da PM José Sardinha de Oliveira Jr., comandante do 17° BPM, sediado em Xinguara, acusado pelo presidente da Associação dos Cabos e Soldados da PM e Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Pará de perseguir seus subordinados adotando escalas de trabalho excessivas e extraordinárias, tais como redução dos horários de folga e ameaças à praças com processos disciplinares caso não cumpram ordens ilegais. 

O 3° Sargento PM João Santos Souza contou que foi procurado na condição de presidente da associação de Cabos e Soldados, grêmio de Xinguara, por vários policiais militares insatisfeitos com as escalas adicionais por conta da feira agropecuária local, que ocorreu no período de 14 a 22 de setembro de 2013, quando os PMs teriam solicitado ao Comando a dispensa do serviço extra, mesmo cientes de que receberiam abono. Segundo ainda a denúncia, a segurança interna da feira agropecuária de Xinguara, de responsabilidade de produtores rurais, ficou atribuída à PM e “o denunciado retirou policiais das ruas do município, privando a população principalmente a mais carente do acesso ao serviço essencial de segurança pública”. Além disso, de acordo com depoimentos de vários PMs, a jornada normal de serviço era de 12h com folga de 48h, causando fadiga aos militares. 

O promotor já tinha alertado aos comandantes dos Batalhões da PM, em recomendação, que não cedessem policiamento para eventos na parte interna, somente para a área externa. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *