Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Colarinho encardido

Qual a diferença entre um homicida e um administrador público que desvia dinheiro de merenda escolar, do Bolsa Família, da alimentação das pessoas mais pobres, das áreas de educação e saúde, podendo causar o mal e a morte de muitas pessoas? É o desvio de dinheiro público sendo escoado no ralo da corrupção.”
Este é o fundamento do Projeto de Lei 21/2011, do deputado Delegado Protógenes (PCdoB-SP), que altera a Lei de Improbidade Administrativa (8.429/92) e o Código Penal (Decreto-Lei 2.848/40), e endurece a punição de crimes de desvio de dinheiro público: corrupção ativa e passiva e peculato que causarem expressivos prejuízos aos cofres públicos terão a pena máxima de 30 anos de reclusão, além de multa, a mesma prevista para os crimes contra a vida, como o homicídio qualificado, por exemplo.
O projeto dispõe que os processos judiciais e administrativos por improbidade deverão ser priorizados. Afinal, o dinheiro público não pode ficar esperando nos escaninhos da burocracia judicial.
O blog apoia a iniciativa. Quem rouba dinheiro público é responsável por mortes por falta de assistência, violência, abusos e mazelas sociais e merece pena máxima, inclusive para dar o exemplo e coibir os demais.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *