O Procurador-Geral de Justiça César Mattar Jr. inaugurou nesta quinta-feira, 16, o Núcleo Eleitoral do Ministério Público do Estado do Pará, que vai funcionar na sede das Promotorias de Justiça de Icoaraci, distrito de Belém. O coordenador será o promotor…

A desembargadora Maria de Nazaré Saavedra Guimarães, que se destaca pelo belo trabalho que desenvolve à frente da Comissão de Ações Judiciais em Direitos Humanos e Repercussão Social do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, e que já coordenou…

Brega no Pará é coisa séria. Tem Brega Pop, Brega Calypso, Brega Marcante, Brega Saudade, Tecnobrega, Melody, Tecnomelody … Verdadeiro hino (música oficial dos 400 anos de Belém), não há quem desconheça o clássico Ao Por do Sol, eternizado na…

Uma reunião no Ministério Público do Estado do Pará colocou em pauta a situação caótica da Unidade de Conservação Estadual Área de Proteção Ambiental da Ilha do Combu, onde proliferam construções e empreendimentos comerciais irregulares, transporte fluvial desordenado, festas e…

Círo de Oriximiná


O que faz do Círio de Santo Antônio ser especial e único é o fato de ser um círio noturno, na enseada do Trombetas em frente a Oriximiná. E atravessar uma preamar de barquinhas iluminadas, como se atravessasse alguma constelação flutuante nas águas do rio. Torna-se, portanto, uma imagem cósmica e íntima na dimensão devaneante da crença religiosa, no âmbito do que eu que chamo de poética do imaginário dominante na cultura amazônica. É isso que faz dele um acontecimento especial, como uma verdadeira epifania.
Creio que o Círio de Oriximiná revela um singular momento do que identifico como a inseparável relação cultural genética decorrente da bela harmonia entre o homem e a natureza de rios, florestas e encantarias, que é o lugar onde habitam os encantados da teogonia amazônica. Essas encantarias estão localizadas no mais secreto dessa paisagem e no coração das pessoas. O Círio é puramente estético na primeira parte do cortejo passando em frente à cidade e da contemplação do povo, numa forma de transe da sensibilidade estetizante, constituidora dessa comunidade emocional em que a população se tranforma ; e se converte em um círio mágico religioso, quando desenbarca nas ruas da cidade, passando a ser organizado em alas de irmandades, seguindo nos ombros dos fiéis conduzidos por salmos e cânticos sacros, inspirando devoção e piedade, para alcançar o seu momento supremo na grande missa campal que o encerra em frente à igreja.
É um belo e raro momento de totalidade humana onde o religioso se agrega ao estético, e ambos se enriquecem com essa intercorrência complementar devotada ao imaginário poetizador, presente nas relações do homem com a natureza e dos homens entre si, na ainda Amazônia profunda.
Não se pode , também, desligar o Círio de Oriximiná de sua paisagem cultural. Acredita-se que no mais profundo dos rios da Amazônia, como o Trombetas, por exemplo, está situado o lugar das encantarias, onde moram os serem encantados. Dentre esses seres sobrenaturais está a cobra-grande, a boiúna que, quando aflora no espelho das águas assume a forma de um navio iluminado. Ora, numa visão de amazonividência, o deslizar dos barcos iluminados do Círio de Oriximiná pode muito bem instigar o imaginário local com a remota idéia de uma espécie de encantamento.
Não temos que ter timidez em revelar essas emoções caboclas, essas associações fantásticas, pois elas são constitutivas de nossa originalidade cultural e sabedoria. A sabedoria de ver o mundo de uma forma poética, que integra numa unidade mágica, o real e o imaginário, o religioso e o profano, o particular e o universal, o sonho e a realidade. Aí se manifesta a complexidade da existência humana, onde tudo sestá integrado e pleno.
O Círio de Oriximiná é um dos mais belos momentos de uma religiosidade puramente amazônica. Nele, a correnteza das águas do rio se integra com a correnteza dos passos humanos caminhantes pelas ruas, a devoção dialoga com a contemplação, a luz do olhar confunde-se com a luz da fé, a crença se mescla com a imaginação, a espontaneidade conjuga-se com o ritual místico religioso, a luz dos barcos boiúnamente iluminados funde-se com a luz da fé nas almas, a margem do rio se torna a margem da própria alma.
Dentre os vários signos que conferem originalidade ao Círio de Oriximiná, destacam-se as barquinhas iluminadas que inundam o rio em frente à cidade. Elas fazem das águas do Trombetas um espelho do céu estrelado. São como se uma constelação inteira estivesse derramada ou semeada no rio. E quando o Círio iluminado passa com seus barcos em meio a essa multidão de estrelas flutuantes, é como se a boiúna mística fosse passando, ou como se a própria santidade desfilasse a sua eternidade diante da súbita maravilha do olhar dos homens.

_______________________________________________________________

João de Jesus Paes Loureiro é poeta, professor da UFPA, mestre em Teoria Literária e Semiótica (PUC/Campinas/SP) e doutor em Sociologia da Cultura (Sorbonne/Paris/França)

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *