Casarões da CDP saqueados e em ruínas
Abandonado há cerca de vinte anos pela Companhia Docas do Pará, o casarão que até o início dos anos 2000 servia como...
Ver mais
Perigo quando as águas azuis do Tapajós ficam verdes
O Tapajós, já reconhecido como o mais belo rio do mundo, é um dos maiores da Amazônia e às suas margens...
Ver mais
As incríveis coleções do Museu Paraense Emílio Goeldi
Com importância singular nos campos científico, sociocultural e político, os acervos arqueológicos e etnográficos do Museu Paraense Emílio Goeldi, sediado em...
Ver mais
Previous
Next

O procurador-geral de Justiça César Mattar Jr. recebeu, ao lado do subprocurador-geral de Justiça Eduardo Barleta, do 2º subcorregedor-geral Geraldo Rocha; do presidente da Associação do Ministério Público do Pará (Ampep), promotor de Justiça Márcio Maués Faria, e do chefe de gabinete da PGJ, promotor de…

A roda de conversa “Novíssimas teses sobre a Cabanagem”, com o jornalista Sérgio Buarque de Gusmão, pesquisador e autor do livro “Nova História da Cabanagem: seis teses revisam a insurreição que incendiou o Grão-Pará em 1835”, o historiador Geraldo Mártires Coelho, professor titular aposentado da UFPA, e a cientista política…

O Ministério Público do Estado e o Ministério Público Federal criaram um Grupo de Trabalho Interinstitucional para tratar das questões envolvendo as comunidades quilombolas e populações tradicionais do Marajó, de modo articulado com o Grupo de Trabalho Agrário do MPPA e acompanhamento dos Centros de Apoio Operacional…

Figura na pauta da reunião virtual do Pleno do Tribunal de Justiça do Estado do Pará desta quarta-feira, 16, o julgamento de Processo Administrativo Disciplinar contra os juízes Raimundo Moisés Alves Flexa e Marco Antônio Lobo Castelo Branco. Em julho de 2019, circulou amplamente nas redes sociais gravação em áudio na qual o prefeito de…

Círo de Oriximiná


O que faz do Círio de Santo Antônio ser especial e único é o fato de ser um círio noturno, na enseada do Trombetas em frente a Oriximiná. E atravessar uma preamar de barquinhas iluminadas, como se atravessasse alguma constelação flutuante nas águas do rio. Torna-se, portanto, uma imagem cósmica e íntima na dimensão devaneante da crença religiosa, no âmbito do que eu que chamo de poética do imaginário dominante na cultura amazônica. É isso que faz dele um acontecimento especial, como uma verdadeira epifania.
Creio que o Círio de Oriximiná revela um singular momento do que identifico como a inseparável relação cultural genética decorrente da bela harmonia entre o homem e a natureza de rios, florestas e encantarias, que é o lugar onde habitam os encantados da teogonia amazônica. Essas encantarias estão localizadas no mais secreto dessa paisagem e no coração das pessoas. O Círio é puramente estético na primeira parte do cortejo passando em frente à cidade e da contemplação do povo, numa forma de transe da sensibilidade estetizante, constituidora dessa comunidade emocional em que a população se tranforma ; e se converte em um círio mágico religioso, quando desenbarca nas ruas da cidade, passando a ser organizado em alas de irmandades, seguindo nos ombros dos fiéis conduzidos por salmos e cânticos sacros, inspirando devoção e piedade, para alcançar o seu momento supremo na grande missa campal que o encerra em frente à igreja.
É um belo e raro momento de totalidade humana onde o religioso se agrega ao estético, e ambos se enriquecem com essa intercorrência complementar devotada ao imaginário poetizador, presente nas relações do homem com a natureza e dos homens entre si, na ainda Amazônia profunda.
Não se pode , também, desligar o Círio de Oriximiná de sua paisagem cultural. Acredita-se que no mais profundo dos rios da Amazônia, como o Trombetas, por exemplo, está situado o lugar das encantarias, onde moram os serem encantados. Dentre esses seres sobrenaturais está a cobra-grande, a boiúna que, quando aflora no espelho das águas assume a forma de um navio iluminado. Ora, numa visão de amazonividência, o deslizar dos barcos iluminados do Círio de Oriximiná pode muito bem instigar o imaginário local com a remota idéia de uma espécie de encantamento.
Não temos que ter timidez em revelar essas emoções caboclas, essas associações fantásticas, pois elas são constitutivas de nossa originalidade cultural e sabedoria. A sabedoria de ver o mundo de uma forma poética, que integra numa unidade mágica, o real e o imaginário, o religioso e o profano, o particular e o universal, o sonho e a realidade. Aí se manifesta a complexidade da existência humana, onde tudo sestá integrado e pleno.
O Círio de Oriximiná é um dos mais belos momentos de uma religiosidade puramente amazônica. Nele, a correnteza das águas do rio se integra com a correnteza dos passos humanos caminhantes pelas ruas, a devoção dialoga com a contemplação, a luz do olhar confunde-se com a luz da fé, a crença se mescla com a imaginação, a espontaneidade conjuga-se com o ritual místico religioso, a luz dos barcos boiúnamente iluminados funde-se com a luz da fé nas almas, a margem do rio se torna a margem da própria alma.
Dentre os vários signos que conferem originalidade ao Círio de Oriximiná, destacam-se as barquinhas iluminadas que inundam o rio em frente à cidade. Elas fazem das águas do Trombetas um espelho do céu estrelado. São como se uma constelação inteira estivesse derramada ou semeada no rio. E quando o Círio iluminado passa com seus barcos em meio a essa multidão de estrelas flutuantes, é como se a boiúna mística fosse passando, ou como se a própria santidade desfilasse a sua eternidade diante da súbita maravilha do olhar dos homens.

_______________________________________________________________

João de Jesus Paes Loureiro é poeta, professor da UFPA, mestre em Teoria Literária e Semiótica (PUC/Campinas/SP) e doutor em Sociologia da Cultura (Sorbonne/Paris/França)

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhar