A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Foram empossados hoje na Assembleia Legislativa do Pará os 41 deputados estaduais eleitos para a 61ª Legislatura (2023-2027). Em seguida houve eleição para a Presidência e a Mesa Diretora, em chapa única, tendo sido reeleito praticamente à unanimidade – por…

O governador Helder Barbalho está soltando a conta-gotas os nomes dos escolhidos para compor o primeiro escalão de seu segundo governo. Nesta quarta-feira será a posse dos deputados estaduais e federais e dos senadores, e a eleição para a Mesa…

Pela primeira vez na história, está em curso  um movimento conjunto da Academia Paraense de Letras, Academia Paraense de Jornalismo, Instituto Histórico e Geográfico do Pará e Academia Paraense de Letras Jurídicas, exposto em ofício ao governador Helder Barbalho, propondo…

Círio Fluvial do Rio Cachoeiry em Oriximiná

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da grande cheia renovando a fé e a tradição do povo ribeirinho que anualmente deixa a roça e o lago para a devoção a Santo Antônio, ritual que já acontece há pelo menos 150 anos. Tudo começou quando a imagem do santo padroeiro foi encontrada pelo oriximinaense Narciso Manoel da Silva em 1870, ao cavar uma sepultura no cemitério do município de Óbidos. Após o sepultamento do seu ente querido, o caboclo retornou para o Lago Sapucuá, onde iniciou sua devoção com a imagem de Santo Antônio em uma humilde cabana de palha.

Logo a fama dos milagres do santo correu pelo lugarejo e muita gente ia ver a imagem e fazer promessas. Quando Narciso faleceu seus filhos continuaram a devoção, mudando para o Rio Cachoeiry, onde tinham terra e criação de gado, inclusive os animais ofertados ao santo que eram cuidados e nunca usados em benefício próprio, por medo de castigo.

No Rio Cachoeiry, já em meados dos anos 1930, a festa de Santo Antônio começou a evoluir, ainda em capela de palha, mas já com personagens como os mordomos, juízes e foliões para a festa de mastro, que perdurou até 1957, quando mudou para a arraial e os mordomos viraram juízes beneméritos nos anos 1960. Construíram então a igreja em alvenaria, mas não demorou ela se perdeu pela erosão devido à força das águas, no fenômeno das terras caídas: tinha sido erguida muito perto da margem do rio. Passados alguns anos, o povo levantou outra igreja, a uma distância segura, que se mantém incólume.

A comunidade local se desenvolveu em torno da devoção a Santo Antônio Milagroso dos Narcisos, uma referência ao sobrenome da família que achou e durante mais de um século manteve a posse da imagem. O Círio permanece como patrimônio daquele povo interiorano. O poder público ajuda a manter a tradição, os empresários doam material e os comunitários se doam para manter os 15 dias de alegres celebrações em honra de Santo Antônio. Assistam aos vídeos.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *