Vanete Oliveira, a jovem marajoara de 28 anos e mãe de cinco filhos que sofre há catorze anos com um tumor enorme em um dos olhos, que lhe cobre quase a metade da face, já está internada no Hospital Ophir…

Equipes da Divisão de Homicídios e da Delegacia de Repressão de Furtos e Roubos estavam monitorando há um mês o grupo criminoso que planejava roubar em torno de R$ 1 milhão no caixa eletrônico do Banpará localizado dentro do Hospital…

Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

As Diretorias de Combate à Corrupção e de Polícia do Interior da Polícia Civil do Pará prenderam hoje (28), no Distrito Federal, durante a Operação "Litania”, uma falsa empresária e sócios-proprietários que utilizavam empresa de fachada como instituição financeira para…

Celular de Miss caiu na cabeça de publicitária


A jovem publicitária Melissa Barra foi com o marido, Arthur, ao Teatro da Paz assistir à peça “Histeria”, ontem à noite. O casal se acomodou na plateia. O espetáculo começou às 18h30, e o que deveria ter sido um programa cultural leve e divertido quase se transforma em tragédia, tudo por conta da falta de civilidade dos que não conseguem se deleitar com a arte mesmo em um verdadeiro templo como é o lindo TP. Dez minutos depois de começar a peça  despencou – de uma altura de seis metros – um celular na cabeça de Melissa, cuja visão escureceu e, quando ela levantou a cabeça, estava coberta de sangue. Seu marido a retirou da plateia e começou a gritar por ajuda. Os funcionários do teatro acudiram, colocaram-na sentada numa cadeira no hall de entrada e limparam seu rosto com papel toalha, enquanto aguardavam uma ambulância. 

Nesse ínterim,  a dona do celular, Miss Mocajuba, candidata ao Miss Pará, desceu de seu camarote e, sem prestar socorro ou manifestar qualquer preocupação com o que tinha causado, exigiu o smartphone, que tinha sido guardado pelo marido da vítima como forma de identificar a autora da lesão corporal. Arthur disse que só devolveria quando ela mostrasse sua identidade. A bonita não quis se identificar e chamou um homem que, apresentando-se como coordenador do Miss Pará, desceu até o hall, ofendeu Melissa e Arthur, dizendo que ela estava fazendo teatro e deveria ficar no palco e, quando a ambulância chegou, protagonizou o maior barraco: arrancou a camisa e torceu o pé de Arthur, não deixava a ambulância sair, e dois policiais  militares sentados na praça da República assistiam a tudo sem mover um músculo, até que o médico da ambulância interveio e gritou pelos dois, só então conseguiram o RG da miss e puderam ir embora.

Melissa foi  levada para o hospital da Unimed, fez tomografia, levou pontos na cabeça e o traumatologista falou que, se tivesse sido atingida três centímetros mais para trás, sofreria grave traumatismo craniano e, fosse numa criança, teria ido a óbito. Ela já registrou BO e foi submetida a exame de corpo de delito. Testemunhas não faltam.

Os artistas e a direção do teatro são incansáveis em mensagens educativas, pedindo que todos guardem seus celulares. Não bastasse o incômodo dos toques, as conversas inconvenientes e os flashes indevidos, agora até risco de morte os frequentadores correm, pela barbárie dos que não têm um mínimo de educação e bom senso. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *