Hoje a Assembleia Legislativa do Pará retomou seus trabalhos no segundo período legislativo do terceiro ano da da 19ª Legislatura, de forma totalmente presencial, apesar da reforma do prédio sede do Palácio Cabanagem e do próprio plenário Newton Miranda. Após…

Em visita oficial, a Academia Paraense de Jornalismo e a Comissão de Defesa do Patrimônio Histórico do Instituto Histórico e Geográfico do Pará pediu ao prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues, o veto à alteração dos nomes da Rua da Municipalidade…

O IV Distrito Naval da Marinha do Brasil, em parceria com o Ministério Público do Estado do Pará (MPPA), Praticagem da Barra do Pará, Sociedade Amigos da Marinha Pará, Secretarias de Saúde de Barcarena e do Estado do Pará, Tribunal…

Guy Veloso, filho do saudoso jurista, notário e político Zeno Veloso, plantou em sua memória um pé de baobá na Universidade Federal do Pará, onde o ilustre parauara se destacou como professor de direito civil e direito constitucional, formando gerações…

Causos e casos do folclore jurídico

Em 2008, Marcos Fernando Moura Alves resolveu cortar uma árvore na casa onde morava com a família, em Belém, no bairro da Pedreira. A mulher de seu irmão disse que a árvore era dela e que se ele a cortasse registraria um BO na polícia. Furioso, ele cortou a própria cunhada, e quando a irmã dela, que estava de visita, tentou impedir o crime, também a golpeou a terçadadas, causando-lhe deformidade permanente. Em júri presidido pelo juiz Edmar da Silva Pereira, o criminoso foi condenado a 16 anos de reclusão. Ele confessou as terçadadas nas vítimas, mas – vejam só! – declarou que não tinha intenção de matar.

A propósito deste caso, relatado pelo advogado Ivanildo Alves nas redes sociais, a procuradora de justiça aposentada Iolanda Parente contou um causo, publicado em seu primeiro livro, que aconteceu em Mocajuba, quando lá era promotora de justiça. Não havia juiz, o delegado era um senhorzinho que chamava as vítimas de “o vítimo”, e as broncas da cidade naqueles idos de 1984 quem resolvia era ela.

Pois bem. Um dia ela foi chamada para apartar uma guerra entre duas famílias vizinhas. No local do embate, encontrou dois grupos armados de facão, machado, foice, etecetera e talO pomo da discórdia: pupunheiras que cresceram e deram frutos bem no limite entre os terrenos.

Iolanda não contou conversa. Entendeu que a solução era cortar o motivo – literalmente – pela raiz. Pediu um machado e nomeou o carrasco que executou a sentença de morte. Penalizada, viu as pobres árvores irem ao chão. Os briguentos, incrédulos, assistiram a tudo mas não esboçaram reação. E assim, acabou sem começar a “guerra das pupunhas”.

Iolanda, que é do bem, ao longo da vida já plantou vários pés de pupunha para se redimir. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *