Barcos regionais a motor, veleiros, vigilengas, rabetas, bajaras, canoas ubás, igarités, catraias, botes fazem parte da memória afetiva, produtiva e econômica parauara, navegando pelo oceano Atlântico, baías, rios que mais parecem mares, lagos, igarapés, furos, estreitos, igapós e campos alagados…

Embora o Quartel Tiradentes esteja localizado no coração do bairro do Reduto, sediando o 2º BPM e duas Companhias da Polícia Militar do Pará, os meliantes parecem desafiar abertamente os policiais. Os assaltos no bairro continuam muito frequentes, principalmente no…

Douglas da Costa Rodrigues Junior, estudante de Letras - Língua Portuguesa da Universidade Federal do Pará e bolsista do Museu Paraense Emílio Goeldi, ganhou a 18ª edição do Prêmio Destaque na Iniciação Científica e Tecnológica na área de Ciências Humanas…

O Ministério Público do Trabalho PA-AP abrirá na segunda-feira inscrições para Estágio de Nível Superior. A seleção será destinada ao preenchimento de vagas e formação do quadro de reserva de estagiários dos cursos de Administração/Gestão Pública, Biblioteconomia, Direito, Jornalismo, Publicidade/Propaganda…

Caravana de Direitos Humanos na Alepa

Entidades da sociedade civil paraense fizeram hoje de manhã uma Caravana dos Direitos Humanos para entregar aos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário um documento expondo as graves violações de direitos humanos no Estado e também apresentando recomendações para que os problemas sejam superados. A primeira visita foi à Assembleia Legislativa, onde o presidente da Casa, deputado Márcio Miranda(DEM), pediu licença ao orador que ocupava a tribuna, deputado Airton Faleiro(PT), e recebeu em plenário os manifestantes, ao lado do presidente da Comissão de Direitos Humanos da Alepa, deputado Carlos Bordalo(PT).

Com dados extraídos do Mapa da Violência e outros estudos, as entidades detalharam as mazelas no campo e na cidade, principalmente o extermínio da juventude negra e pobre da periferia, os problemas ocasionados pela construção de usinas hidrelétricas na Amazônia, além do enfraquecimento dos programas como o Provita-PA (Programa de Proteção a Vítimas e Testemunhas no Pará), PPCAAM-PA (Programa de Proteção da Criança e do Adolescente Ameaçado no Pará) e PEPDDH-PA (Programa Estadual de Proteção aos Defensores e defensoras de Direitos Humanos no Pará).
A atividade integra a programação alusiva aos 66 anos da promulgação da Declaração Universal dos Direitos Humanos, e conta com a participação da Sociedade Paraense de Defesa dos Direitos Humanos (SDDH), Comissão de Direitos Humanos da OAB-PA, Universidade Popular (Unipop), Centro de Defesa da Criança e do Adolescente (Cedeca), Centro de Estudos e Defesa do Negro e da Negra do Pará (Cedenpa), Movimento de Mulheres Campo e Cidade (MMCC), Movimento Nacional de Direitos Humanos Regional Amazônia 2 e Associação Brasileira de Ongs – Seção Pará. 

O deputado Márcio Miranda anunciou que os partidos têm prazo até esta sexta-feira, 12, para indicar os membros da CPI das Milícias e que na segunda-feira, 15, serão tomadas as providências para a instalação da Comissão. 

O deputado Edmilson Rodrigues(PSOL) fez pronunciamento na tribuna. “Não estamos colocando em xeque as instituições das Polícias Civil e Militar, que reúnem cerca de 4 mil trabalhadores. Nenhum deputado defendeu mais do que eu a dignidade dos policiais. Não se pode condenar o todo por um tumor canceroso (…) Já tenho certeza que há milícias. Autoridades já reconheceram. Temos informações de 40 a 60 policiais envolvidos“, destacou Edmilson, que outro dia leu também da tribuna trechos do processo a que responde o prefeito afastado de Igarapé-Miri, Ailson Amaral, o Pé de Boto, flagrado em grampo telefônico comandando milícia com a participação de policiais, que prendiam, matavam e torturavam pessoas da cidade. 

Mais denúncias vêm sendo recebidas por Edmilson. Ele acredita que a CPI poderá contribuir com as investigações em andamento. “Não creio que o governo tenha interesse em grupos de extermínio. A nossa investigação pode ajudar a coibir (esse tipo de crime). Está se falando de gente que se une para matar, cobrar taxa mensal (para a manutenção dos grupos) e determinar quem pode atuar nas áreas A ou B. Nossa cidade está dominada por verdadeiras gangues que decretam a pena de morte. Queremos ordem e paz. Temos que combater a violência sem violência“, defendeu.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *