O catamarã Bom Jesus IV, que faz o trecho Belém-Ponta de Pedras, no arquipélago do Marajó, naufragou hoje por volta de 17h, em frente a Vila do Conde. O casco rachou, entrou água na embarcação, que adernou e começou logo…

O empresário e político Carlito Begot, ex-vice-prefeito de Ananindeua(PA), protagonizou cena chocante no condomínio Lago Azul, reduto de endinheirados, na noite do domingo passado, 23, em um píer destinado à pesca “pesque-e-solte”. Um grupo fisgou um pirarucu com cerca de…

A alteração da turbidez do rio Tapajós resulta de, ao menos, duas fontes sedimentares distintas: o rio Amazonas e a atividade garimpeira no médio e alto Tapajós, além de usos da terra que causam desmatamento e exposição do solo. Apenas…

A promotora de justiça Ângela Maria Balieiro Queiroz, pelo Ministério Público do Estado, e o procurador Patrick Bezerra, do Ministério Público de Contas do Pará, acompanharão a contratação da obra de reconstrução da ponte Enéas Pinheiro, que interliga os distritos…

CAPS de Portel pode ficar sem psiquiatra

Portel, município do arquipélago marajoara onde o índice de suicídio, principalmente de jovens, é considerado alto, está na iminência de ficar sem o único psiquiatra que atua na cidade, o médico Stelio de Jesus Pantoja Mesquita – CRM 5889, já avisado de que vai ter seu contrato rescindido no fim deste mês e retornar somente em fevereiro de 2016, sob a alegação de economia de recursos. Familiares de pacientes do Centro de Atendimento Psicossocial – programa do Ministério da Saúde – estão desesperados e pedem ajuda. O CAPS recebe (ou deveria receber) recursos federais para pagamento de sua equipe e é obrigatória a presença de um psiquiatra para prescrição de medicamentos controlados. Urge que o MPF entre em campo a fim de garantir os direitos da população.

Os CAPS são instituições destinadas a acolher os pacientes com transtornos
mentais, estimular sua integração social e familiar, apoiá-los em suas iniciativas
de busca da autonomia e oferecer-lhes atendimento médico, via SUS. Além disso, promover o
acompanhamento clínico e a reinserção social dos usuários pelo acesso ao trabalho, lazer, exercício dos direitos civis e
fortalecimento dos laços familiares e comunitários. Trata-se de serviço de atendimento de saúde mental criado para ser substitutivo
às internações em hospitais psiquiátricos.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *