Hoje a Assembleia Legislativa do Pará retomou seus trabalhos no segundo período legislativo do terceiro ano da da 19ª Legislatura, de forma totalmente presencial, apesar da reforma do prédio sede do Palácio Cabanagem e do próprio plenário Newton Miranda. Após…

Em visita oficial, a Academia Paraense de Jornalismo e a Comissão de Defesa do Patrimônio Histórico do Instituto Histórico e Geográfico do Pará pediu ao prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues, o veto à alteração dos nomes da Rua da Municipalidade…

O IV Distrito Naval da Marinha do Brasil, em parceria com o Ministério Público do Estado do Pará (MPPA), Praticagem da Barra do Pará, Sociedade Amigos da Marinha Pará, Secretarias de Saúde de Barcarena e do Estado do Pará, Tribunal…

Guy Veloso, filho do saudoso jurista, notário e político Zeno Veloso, plantou em sua memória um pé de baobá na Universidade Federal do Pará, onde o ilustre parauara se destacou como professor de direito civil e direito constitucional, formando gerações…

CAPS de Portel pode ficar sem psiquiatra

Portel, município do arquipélago marajoara onde o índice de suicídio, principalmente de jovens, é considerado alto, está na iminência de ficar sem o único psiquiatra que atua na cidade, o médico Stelio de Jesus Pantoja Mesquita – CRM 5889, já avisado de que vai ter seu contrato rescindido no fim deste mês e retornar somente em fevereiro de 2016, sob a alegação de economia de recursos. Familiares de pacientes do Centro de Atendimento Psicossocial – programa do Ministério da Saúde – estão desesperados e pedem ajuda. O CAPS recebe (ou deveria receber) recursos federais para pagamento de sua equipe e é obrigatória a presença de um psiquiatra para prescrição de medicamentos controlados. Urge que o MPF entre em campo a fim de garantir os direitos da população.

Os CAPS são instituições destinadas a acolher os pacientes com transtornos
mentais, estimular sua integração social e familiar, apoiá-los em suas iniciativas
de busca da autonomia e oferecer-lhes atendimento médico, via SUS. Além disso, promover o
acompanhamento clínico e a reinserção social dos usuários pelo acesso ao trabalho, lazer, exercício dos direitos civis e
fortalecimento dos laços familiares e comunitários. Trata-se de serviço de atendimento de saúde mental criado para ser substitutivo
às internações em hospitais psiquiátricos.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *