A Cosanpa abriu nada menos que seiscentos buracos imensos nos bairros mais movimentados de Belém, infernizando a vida de todo mundo com engarrafamentos e causando graves riscos de acidentes, principalmente porque chove sempre, e quando as ruas alagam os buracos…

O Procurador-Geral de Justiça César Mattar Jr. inaugurou nesta quinta-feira, 16, o Núcleo Eleitoral do Ministério Público do Estado do Pará, que vai funcionar na sede das Promotorias de Justiça de Icoaraci, distrito de Belém. O coordenador será o promotor…

A desembargadora Maria de Nazaré Saavedra Guimarães, que se destaca pelo belo trabalho que desenvolve à frente da Comissão de Ações Judiciais em Direitos Humanos e Repercussão Social do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, e que já coordenou…

Brega no Pará é coisa séria. Tem Brega Pop, Brega Calypso, Brega Marcante, Brega Saudade, Tecnobrega, Melody, Tecnomelody … Verdadeiro hino (música oficial dos 400 anos de Belém), não há quem desconheça o clássico Ao Por do Sol, eternizado na…

Calamidade Transamazônica


Quarenta e oito anos depois de seu início, em 1970, até hoje a Transamazônica (BR-230) não foi concluída. É o retrato do abandono da região amazônica e do Pará pelo governo federal. Durante o verão, os buracos e a poeira. Na época de chuvas, os imensos atoleiros. Caminhoneiros e agricultores precisam de coragem para encarar a lama e seguir viagem. Nas ladeiras, caminhões, carretas e ônibus só conseguem trafegar com a ajuda de trator. Os motoristas têm que pagar entre R$50 e R$70 pelo serviço de reboque. Já os motociclistas precisam empurrar o veículo enquanto aceleram o motor. Nos municípios, desabastecidos de gêneros alimentícios e remédios, os preços dos produtos triplicam, pelas imensas dificuldades de acesso.

Ontem, entre Altamira e Novo Progresso, a cerca de 40 Km de Itaituba, por muito pouco não houve uma tragédia. Um ônibus lotado de passageiros, oriundo de Divinópolis, município de Rurópolis, foi tragado pelas águas nesse trecho, que rompeu justamente durante a passagem do veículo. Felizmente todas as pessoas conseguiram desembarcar antes. Momentos de desespero e terror como esse são constantes na rodovia, embora de quatro em quatro anos, ao longo das décadas, todos os presidentes da República e seus ministros invariavelmente prometam o asfaltamento.

Já na BR-163, a Santarém/Cuiabá, entre os municípios de Uruará e Placas os atoleiros se espraiam ao longo de 60 quilômetros. No Km 192, na ladeira Lambreta, famosa na região pelo grau de dificuldade oferecido aos motoristas, a 12 quilômetros do centro urbano de Uruará,  uma cratera é prenúncio de desgraça.

Cliquem aí em cima e assistam ao vídeo mostrando a situação da estrada e o momento em que o ônibus foi levado pela correnteza.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *