O juiz Jonatas dos Santos Andrade renunciou à presidência da Amatra 8 – Associação dos Magistrados Trabalhistas da 8ª Região e vai assumir o cargo de Juiz Auxiliar da Presidência do Conselho Nacional de Justiça, a convite da ministra Rosa…

Quando todos apostavam em uma radicalização que causasse esgarçamento das relações empresariais na cúpula das indústrias instaladas no Pará, a diretoria da Federação das Indústrias do Estado do Pará, liderada por José Conrado Santos e José Maria Mendonça, deu uma…

Os botânicos Fúvio Oliveira e Rafael Gomes, doutorandos do Programa de Pós-graduação em Botânica Tropical do Museu Paraense Emílio Goeldi e Universidade Federal Rural da Amazônia, concorreram com 86 jovens cientistas do mundo inteiro e estão entre os 23 contemplados…

Na próxima terça-feira, dia 16, o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Chicão, deverá incluir na pauta do plenário a apreciação do Processo nº 7/2022, encaminhado pelo Tribunal de Contas do Estado, tratando da prestação de contas do Governo do Pará…

Bolsista do Museu Goeldi vence prêmio do CNPq

Douglas da Costa Rodrigues Junior, estudante de Letras – Língua Portuguesa da Universidade Federal do Pará e bolsista do Museu Paraense Emílio Goeldi, ganhou a 18ª edição do Prêmio Destaque na Iniciação Científica e Tecnológica na área de Ciências Humanas e Sociais, Letras e Artes, do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPq. Ele criou o projeto Dicionário Multimídia Sakurabiat – Português, desenvolvido sob a orientação da linguista Ana Vilacy Galúcio, pesquisadora da Coordenação de Ciências Humanas do MPEG.

O Dicionário reúne verbetes da língua indígena Sakurabiat em quatro campos semânticos: fauna, flora, partes do corpo humano e manufaturas. Douglas Júnior aceitou o desafio de contribuir para a dicionarização de uma língua ameaçada de perecimento, trabalho complexo que envolve muitas etapas.

Ana Vilacy, especialista no estudo da língua indígena Sakurabiat e coordenadora do projeto, explica que o dicionário multimídia “foi compilado como um documento interativo html, usando a linguagem Markdown – linguagem de formatação aberta, baseada em texto e que permite a fácil exportação dos materiais em html, PDF ou docx”. “Para cada entrada lexical, o dicionário apresenta o verbete em Sakurabiat e a chave de pronúncia em transcrição fonética, sua tradução para o português, áudio e imagem, além de exemplos de uso do verbete em Sakurabiat (sempre que possível), acompanhado de tradução e áudio com a pronúncia do exemplo.

Douglas Costa estudou os aspectos teóricos e metodológicos da organização de dicionários, pesquisou e coletou materiais lexicais da base de dados da língua Sakurabiat, disponível no Acervo de Línguas e Culturas indígenas do Museu Goeldi, separando-os em subconjuntos de dados, transcreveu e organizou os arquivos de áudio, organizou e converteu o material, além de ter feito a revisão e verificação do dicionário. Ele dá uma dica: é importante perseverar. E conta seu exemplo: conheceu a professora Vilacy e seus ensinamentos após ter fracassado em uma entrevista de estágio. Se tivesse desistido, perderia outra chance.

Os Sakurabiat habitam a Terra Indígena Rio Mequéns, no estado de Rondônia. Moram em áreas de floresta, geralmente perto de igarapés. São agricultores e têm animais de caça como base alimentar tradicional. Mesmo com sua população drasticamente reduzida, os Sakurabiat não deixam de lutar por seus costumes e cultura. Assim como a maioria dos povos indígenas brasileiros, eles têm em sua história a marca da exploração por colonizadores. Trabalharam por muito tempo no sistema de exploração da borracha, estiveram sob o jugo de várias madeireiras que invadiram seu território e lá montaram serrarias, apoiados por políticos locais. Conforme relatos dos anciãos da comunidade, o grupo também foi afetado por várias epidemias de doenças, como sarampo e gripe, provocando uma acelerada depopulação. 

   A terra indígena ocupada por esse povo originário desde tempos imemoriais  só foi demarcada em 1996, após longa batalha repleta de problemas e dores para os Sakurabiat, que foram acusados de serem eles os invasores da sua terra ancestral. Hoje em dia, tentam manter vivo aquilo que quase lhe roubaram: sua cultura, história e língua.

A língua Sakurabiat (Lê-se [sakirabi’at], com a 2ª vogal pronunciada de forma semelhante à vogal da 1ª sílaba da palavra Tânia, em Português) pertence ao tronco Tupi. As outras línguas dessa família são Wayoró, Akuntsú, Makurap e Tupari, todas faladas em Rondônia, por pequenos grupos.

Neste julho de 2021, a língua Sakurabiat conta com apenas 11 falantes fluentes. O dicionário bilíngue Sakurabiat – Português representa neste contexto gravíssimo um importante avanço para a revitalização dessa língua ameaçada de extinção, além de material de busca e apoio na aprendizagem de fácil acesso para as gerações mais jovens. No Brasil, há cerca de 155 línguas indígenas faladas, e dois terços delas são na região Amazônica, a maioria em situação de risco de desaparecimento.

A língua de um povo é sua principal forma de comunicação, através da qual a cultura de uma sociedade é transmitida. Trata-se de medida da maior importância preservar a diversidade de línguas e todo o sistema de linguagens dos povos originários da Amazônia. Pesquisadores do Museu Emilio Goeldi trabalham no desenvolvimento de seis dicionários multimídia de línguas indígenas, incluindo o Sakurabiat-Português. A previsão é de que a primeira versão esteja disponível ao público em janeiro de 2022, após ser referendado pelos Sakurabiat .

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *