A Secretaria de Estado da Fazenda do Pará publicou extrato de dispensa de licitação para contratar a Prodepa, por R$800.427,88, a fim de desenvolver novo site da Transparência do Governo do Pará, com criação de nova arquitetura de informação, navegação…

Andar de motocicleta proporciona histórias, experiências e adrenalina. Motos oferecem facilidade de locomoção rápida e de conseguir estacionamento. Mas a liberdade é, sem dúvida, o motivo número 1 de todo motociclista. Sentir o vento, o clima, fazer parte da paisagem. Este é…

Os fatos que ensejaram a prisão preventiva do SGT Gildson dos Santos Soares e o afastamento da Coronel QOPM/PA Andréa Keyla Leal Rocha do Comando de Policiamento Ambiental da Polícia Militar do Pará descortinaram uma situação gravíssima e surreal dentro…

Barcos regionais a motor, veleiros, vigilengas, rabetas, bajaras, canoas ubás, igarités, catraias, botes fazem parte da memória afetiva, produtiva e econômica parauara, navegando pelo oceano Atlântico, baías, rios que mais parecem mares, lagos, igarapés, furos, estreitos, igapós e campos alagados…

Bispo Emérito do Marajó clama pelo arquipélago

“Louvável a iniciativa da Segup ao definir medidas de combate à criminalidade em Breves, Marajó. O conjunto de medidas na prevenção e combate à criminalidade foi compromisso da Segup no dia 14 deste mês diante do prefeito de Breves e do Poder Legislativo deste município, com a participação de representantes da PC e PM e presença de alguns deputados estaduais. 

Coordenada esta reunião pelo general Jeannot Jansen, o Secretário de Segurança Pública do Estado se comprometeu na implantação, em curto espaço de tempo, de uma base temporária operacional da Polícia Militar no Distrito do Curumu, interior do município. A Prefeitura disponibilizou uma embarcação, combustível e alimentação para a atuação dos policiais militares.

Dentre o conjunto de medidas de combate à criminalidade, esta é a mais importante e a única em que aparecem compromissos claros e de atuação, com responsabilidades distribuídas. Outras, como ações de policiamento ostensivo, lotações de unidade prisional, não mereciam a pena de uma reunião desse porte. 

É esta uma ação pontual que deve ser reconhecida com toda justiça, mas absolutamente incapaz de solucionar o problema. Nossas autoridades ainda não compreenderam que no Marajó problemáticas e soluções são diferenciadas e precisam de medidas específicas e realistas. Por exemplo, o problema da criminalidade e da segurança pública em Breves, interior e cidade e suas soluções, não são diferentes de Portel, Melgaço, Anajás… Os piratas, assaltantes e assassinos vão se deslocar do Curumu para Anajás e Afuá, onde a mesma situação de abandono por parte das autoridades do Estado, talvez agravada nesses municípios, assim como em todo Marajó e mais propriamente nas regiões das ilhas e do norte do arquipélago, faz inócua esta medida. 

É necessário libertar do pânico as beiras do Tajapuru, constatado repetidas vezes e de modo dramático: “De noite fechamos a porta de casa, vamos dormir e não sabemos se amanheceremos vivos”. “Desde as quatro da tarde não podemos sair de casa por medo a ser assaltados na rabeta ou depredados a casa!”. Este é o grito da maior parte da população deste imenso Marajó. Ações exclusivamente pontuais não dão conta do tamanho desta problemática gravíssima. 

Em nenhum dos municípios do Marajó existe lancha à disposição da polícia. Como se combate a criminalidade numa região como Marajó, identificada pelos rios grandes e menores, igarapés, lagoas, enfim, pela “ditadura da água” sem uma lancha sequer, sem combustível nem alimentação? ”Não temos voadeira!” é a exclamação de uma Polícia impotente e perdida na imensidão das águas do arquipélago.

O general Jeannot afirmava a partir das medidas aprovadas terça passada que “a gestão integrada facilita o combate à criminalidade” e que “as ações na área de segurança devem ser entendidas em forma conjunta”. Mas como os parceiros, desprovidos por completo de lanchas, combustível e homens (Segup, Prefeituras, Vereadores) vão agir em forma conjunta? O que poderão colocar em comum certamente é a falta absoluta dos meios para poder operar de um modo minimamente eficiente. Que tipo de parceria se pode estabelecer entre parceiros inabilitados todos por falta de recursos? Segundo a população do Rio Anapu, a Polícia de Melgaço não sai da cidade por menos de dois mil reais (R$ 2.000,00). 

É hora de iniciar a criação da base “Antonio Lemos” (região do Estreito de Breves). Base anunciada faz muito tempo e nunca efetivada, projeto estudado nesta reunião, mas que pelo que parece ninguém se compromete a realizar. Foi afirmado nesta reunião que existem entendimentos com o Iterpa para a cessão de terreno pertencente à União. Nada mais!!. 

A oficialização em 2015 e 2016 pela Polícia Civil em Breves de 68 Procedimentos relacionados a entorpecentes não mudou o mínimo na distribuição e consumo de droga na cidade. E o interior? E os outros municípios do Marajó flagelados todos pelo mesmo chicote dos narcotraficantes? Onde estão os Procedimentos relativos aos chefes e donos das drogas? A rede ainda serve somente para peixe pequeno… 

O Marajó de novo se sente frustrado e humilhado com soluções pontuais, parciais, inadequadas, portanto inócuas para responder à gravíssima problemática da segurança. Uma solução integral incluindo emprego, economia, sociedade, política, cultura, educação, índice de desenvolvimento humano, estudo contextualizado da presença das Polícias no arquipélago, promotores e juízes entram necessariamente como elementos essenciais para a prevenção e repressão ao crime. 

Mais uma vez o grito por um Marajó livre se faz cada dia mais denso e potente. O Plano de Desenvolvimento integral e sustentável aprovado pelo presidente Lula está já enterrado. 

À distância de 10 anos de sua aprovação, mudanças profundas, algumas com repercussão mais negativa ainda no tecido social do arquipélago, exigem com urgência um novo Plano; não para fazê-lo encalhar como o anterior, mas como evidência de respeito à cidadania de todos os marajoaras e à sua dignidade humana. Ressuscitar o morto que o PT enterrou não teria lógica. Sem dúvida o Projeto “Marajó, Território Federal” acabaria com a criminalidade; problemáticas e situações de base com soluções estruturais e não exclusivamente pontuais é do que o Marajó precisa com urgência. 

Soure, 17 de março de 2017 
Dom José Luis Azcona Hermoso
Bispo Emérito do Marajó”

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *