A juíza Sara Augusta Pereira de Oliveira Medeiros, titular da 3ª Vara Cível, Infância e Juventude, Órfãos, Interditos e Ausentes de Castanhal (PA) exarou uma sentença emblemática, em plena Semana da Pessoa com Deficiência: obrigou a Escola Professor Antônio Leite…

Observando que é irracional o deslocamento de grande quantidade de pacientes em busca de tratamento, o Ministério Público do Pará ajuizou Ação Civil Pública contra o Estado do Pará e o Município de Marabá, para a criação de Unidade de…

O governador Helder Barbalho sanciona hoje à noite, em cerimônia no auditório do Centur, o 'Vale Gás' e o 'Água Pará', destinados a famílias de baixa renda ou em situação de vulnerabilidade social. Ambos serão gerenciados e fiscalizados pela Secretaria…

Ciclistas liderados pelo grupo Pedal Mulher Nota 100, com apoio de alunos e voluntários da Universidade Federal do Pará e da Academia Paraense de Jornalismo, realizarão uma performance, nesta quinta-feira (23), das 8h às 10h, a fim de chamar a…

Biodiversidade da Amazônia

Foto: Comunicação UFOPA
Uma incursão em áreas desmatadas às margens da PA 254, no trecho chamado estrada do BEC, onde ainda podem ser identificadas castanheiras centenárias, foi a primeira atividade da expedição IFNOPAP, em Oriximiná, no extremo Oeste do estado. As árvores estão sendo catalogadas por meio de um projeto desenvolvido pela Universidade Federal do Oeste do Pará. A maioria já está com os troncos danificados por causa das constantes queimadas na região. 
A equipe também conheceu uma das cachoeiras às margens do rio Trombetas, o fenômeno das areias brancas, e a “campinarana”, que não é uma campina verdadeira e se estende de um limite a outro do município, entre os lagos Caipuru e Iripixi. Acredita-se que essas áreas foram formadas no período do grande lago, na inversão do curso do rio Amazonas, que, de acordo com estudos geológicos, já teria corrido num sentido contrário ao atual. Há savanas naturais, com vegetação de pequeno porte do tipo gramínea, que estão sendo pesquisadas por estudantes do curso de Biologia, do campus de Oriximiná.
Os pesquisadores observaram, ainda, a exploração ilegal de recursos naturais por empresas que comercializam matéria prima para asfalto e construção civil.  Ao longo da estrada há um lixão a céu aberto.
No campus da UFOPA em Oriximiná as atividades técnico-científicas incluíram a mesa-redonda “Biodiversidade, Povos e Culturas locais” e oficinas destinadas à comunidade. A parte cultural foi marcada pelo monólogo “Vida Cabocla, Mistura de Gente”, da atriz Annieli Valério.

A expedição “Revisitando Cultura e Biodiversidade entre o Rio e a Floresta: Do Guamá ao Tapajós”, realizada pelas universidades UFPA, UFOPA e UEPA, em comemoração aos 15 anos do programa IFNOPAP-Campus Flutuante e programa Expedições do CFI/UFOPA, saiu de Belém no último dia 13 de outubro, a bordo do catamarã Rondônia, com destino a Santarém, passando por Monte Alegre, Oriximiná, Óbidos e Alenquer, onde desenvolve atividades técnico-científico-culturais, reunindo pesquisadores do Brasil e de várias partes do mundo. Mais informações aqui.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *