Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Belém sem réveillon e carnaval

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos e demais manifestações culturais de rua em Belém do Pará, inclusive as festas de réveillon.

Dados epidemiológicos acerca do aumento vertiginoso de casos de Covid-19 em todas as regiões do Estado e a quarta onda em alguns países da Europa, com a nova variante Ômicron, deixam evidente o alto risco de qualquer aglomeração. Todos os hospitais de campanha do Pará foram desmontados, não aumentou o número de leitos clínicos e nem de UTIs nos hospitais regionais e os hospitais municipais do interior não dispõem de médicos, equipamentos e nem medicação adequada à contenção da pandemia. O resultado disso é que grande parte dos pacientes graves tem que ser removida para Belém, via sistema de regulação da Sespa, além do que a maioria absoluta dos prefeitos simplesmente despacha seus doentes em ambulâncias e os deixa nas portas das UPAS ou emergências dos hospitais públicos da capital. “Por amor à vida decidimos voltar atrás e suspender a realização do carnaval”, justificou o prefeito Edmilson Rodrigues, complementando que todas as decisões de sua gestão têm sido baseadas na ciência e na técnica”.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *