A empresa de ônibus Belém-Rio, que faz a linha para o distrito de Outeiro – Ilha de Caratateua, em Belém, aparentemente está falida e reduziu pela metade a sua frota, causando enorme sofrimento aos usuários do transporte coletivo. O serviço,…

A Cosanpa abriu nada menos que seiscentos buracos imensos nos bairros mais movimentados de Belém, infernizando a vida de todo mundo com engarrafamentos e causando graves riscos de acidentes, principalmente porque chove sempre, e quando as ruas alagam os buracos…

O Procurador-Geral de Justiça César Mattar Jr. inaugurou nesta quinta-feira, 16, o Núcleo Eleitoral do Ministério Público do Estado do Pará, que vai funcionar na sede das Promotorias de Justiça de Icoaraci, distrito de Belém. O coordenador será o promotor…

A desembargadora Maria de Nazaré Saavedra Guimarães, que se destaca pelo belo trabalho que desenvolve à frente da Comissão de Ações Judiciais em Direitos Humanos e Repercussão Social do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, e que já coordenou…

Belém 400 anos: a cidade é texto aberto

FOTO: IONALDO RODRIGUES
A Casa da Linguagem está promovendo durante esta semana uma programação excelente, que integra o projeto “Viação Curro Velho – da beira ao Centro da cidade“, homenagem aos 400 anos de Belém promovida pela Fundação Curro Velho. Hoje,  às 17h, Dalcídio Jurandir, Bruno de Menezes e Eneida de Moraes darão o tom no debate “Belém na literatura: a cidade como personagem e metáfora”, dirigido pelo professor doutor Paulo Nunes, autor da trilogia de poemas sobre Belém “Banho de Chuva, O mosquito q’engoliu o boi e Baú de Bem-querer”, que leciona literatura amazônica e é pesquisador do projeto “Belém da Memória: a cidade e o olhar da literatura”. Paulo Nunes vai apresentar a cidade como inspiração, temática de sua pesquisa sobre negritude e literatura, promovendo o diálogo no campo da literatura urbano-poética. Vejam o seu ponto de vista: “Para mim, Belém é um texto que deve ser lido, poética ou criticamente, através de autores que a tematizam em seus textos, a exemplo de escritores que montaram obras como ‘Altar em Chamas’, de Paes Loureiro, ou ‘Ver-o-Peso’, de Max Martins. Quero mostrar que é possível ‘re-amar’ a cidade percebendo a importância que ela tem para a literatura brasileira modernista”. “Quero descortinar textos que evidenciam nossa cidade como uma ‘quatrocentona’ sedutora. Penso que a literatura pode mudar a forma como as pessoas veem a cidade, afinal a literatura tem uma função social”. 

A doutora em História Social e mestre em Antropologia, Ivone Almeida, vai debater “A multicultural Belém a caminho dos 400 anos”, abordando as diferentes manifestações culturais que caracterizam a cidade. 

A programação do ciclo de palestras “Belém 400 anos: a cidade como um texto aberto” chega ao fim com a “Bembelém – Cidade agora deslendada”, do blogueiro Fernando Jares, amanhã, 7, também às 17h. Criador do blog “Pelas Ruas de Belém”, o jornalista espera que o transcurso dos 400 anos de fundação da cidade seja uma chance de fortalecer o bem-querer à capital parauara. Embasada em escritores como Manuel Bandeira, João de Jesus Paes Loureiro, Zuenir Ventura e Mário de Andrade, sua palestra faz uma leitura do turismo e da gastronomia na cidade. O belenense precisa amar mais suas raízes. Uma cidade bem-amada pelos seus habitantes é uma cidade facilmente amável pelos visitantes, que pode transformar o turismo em possibilidade de melhor qualidade de vida para milhares de pessoas. Ao explorar recursos culturais valiosos e facilmente assimiláveis em outras terras, por outras gentes, como a gastronomia e a música popular, Belém deixa de lado velhas lendas, desde o ‘Adeus Belém do Pará’, de Dorival Caymmi, que imperou no século passado. Também vamos falar do turismo como alternativa de desenvolvimento econômico e suas consequências: Círio em um dia ou o ano inteiro?”. 

Após a palestra de Fernando Jares haverá uma roda poética , misturando música, teatro e poesia, intitulada “Belém verso e melodia”, com Andréa Pinheiro, Arthur Espíndola, Allan Carvalho, Walcyr Monteiro, Fernando Pessoa, Juracy Siqueira, Ziza Padilha e Luiz Girard. 

O ator e cantor Luiz Girard abre o sarau com leituras dramatizadas do poema “Similitudes e Pórticos”, do poeta paraense Antônio Tavernard. Já o compositor Allan Carvalho irá apresentar seu trabalho de pesquisa sobre Ari Lobo e Vavá da Matinha, sintetizado em duas músicas voltadas para Belém, produzidas na década de 50. 

A semana “Belém 400 anos” é gratuita e espera universitários, alunos do ensino médio e o público em geral que tenha curiosidade em conhecer mais sobre a história da cidade. As rodas literárias são na Casa da Linguagem, na Av. Nazaré, 31, esquina com Av. Assis de Vasconcelos.  Não percam.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *