O Procurador-Geral de Justiça César Mattar Jr. inaugurou nesta quinta-feira, 16, o Núcleo Eleitoral do Ministério Público do Estado do Pará, que vai funcionar na sede das Promotorias de Justiça de Icoaraci, distrito de Belém. O coordenador será o promotor…

A desembargadora Maria de Nazaré Saavedra Guimarães, que se destaca pelo belo trabalho que desenvolve à frente da Comissão de Ações Judiciais em Direitos Humanos e Repercussão Social do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, e que já coordenou…

Brega no Pará é coisa séria. Tem Brega Pop, Brega Calypso, Brega Marcante, Brega Saudade, Tecnobrega, Melody, Tecnomelody … Verdadeiro hino (música oficial dos 400 anos de Belém), não há quem desconheça o clássico Ao Por do Sol, eternizado na…

Uma reunião no Ministério Público do Estado do Pará colocou em pauta a situação caótica da Unidade de Conservação Estadual Área de Proteção Ambiental da Ilha do Combu, onde proliferam construções e empreendimentos comerciais irregulares, transporte fluvial desordenado, festas e…

Barcarena sofre impactos industriais

Segundo o Instituto Barcarena Sócio Ambiental, 104 comunidades são atingidas pelas atividades industriais no município.

Laudos feitos pela Faculdade de Química da UFPA apontam que o vazamento de rejeitos da Alunorte no rio Murucupi foi responsável por alterações no PH das águas, o que causou a morte da fauna e flora aquáticas em 2009. Outro relatório mostra que um acidente ambiental provocado pela Imerys Rio Capim Caulim, em 2007, projetou alta concentração de bário e ferro nos rios que cercam o distrito portuário de Vila do Conde. O Ibama, em 2009 e 2010, multou em R$27 milhões a Alunorte e a Pará Pigmentos S/A – ambas estavam com as bacias de contenção dos rejeitos tóxicos prestes a transbordar.

Agora a mineradora Buritirama está se instalando na região. A população denuncia que Barcarena é quintal de lixo tóxico de empresas multinacionais, apesar da lei no Pará que proíbe o depósito de lixo tóxico sem tratamento.
O problema é que os licenciamentos ambientais concedidos não têm fiscalização adequada do cumprimento das cláusulas, nem há monitoramento integrado; assim, apesar da legislação para compensação dos impactos sócio-ambientais, as comunidades atingidas permanecem desassistidas, sequer dispõem de microssistemas de abastecimento de água.

Como resultado de recente audiência pública, a Emater-PA e a Comissão de Meio Ambiente da Alepa ficaram de elaborar estudo dos impactos na agricultura mantida pelos ribeirinhos e garantir que os recursos do Termo de Ajustamento de Conduta sejam aplicados diretamente nas comunidades. Serão criadas duas comissões de acompanhamento, uma de entidades de Barcarena e outra na Câmara Federal por deputados e em cerca de 90 dias haverá outra audiência para prestação de contas das providências.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *